Sergio Mattarella visitou o magnata americano na Casa Branca na quarta-feira (16)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recebeu na quarta-feira (16), na Casa Branca, seu homólogo italiano, Sergio Mattarella, e afirmou que seu governo irá reavaliar “atentamente” as queixas da Itália sobre a aplicação da sobretaxa alfandegária de 10% contra aviões comerciais da Airbus e de 25% contra diversos produtos alimentares da União Europeia (UE) imposta pelo magnata.

“A Itália tem um problema em como os US$7,5 bilhões em impostos foram divididos, [porque] acredita que teve um papel menor em comparação com outros países, como França ou Alemanha”, afirmou o republicano. As novas tarifas anunciadas pelo governo americano entram em vigor na próxima sexta-feira (18) e são uma represália aos benefícios concedidos pela UE à Airbus, considerados ilegais pela própria Organização Mundial do Comércio (OMC).

A medida foi determinada depois que o órgão autorizou os Estados Unidos a imporem sobretaxas contra U$7,5 bilhões em importações de bens europeus. Segundo Mattarella, “Trump falou muito educadamente sobre a questão dos deveres consequentes do financiamento europeu à Airbus”. “Espero que seja possível, como acredito, encontrar um método de confronto colaborativo que evite uma troca de medidas retaliatórias entre as duas partes”.

O político italiano ressaltou a importância de encontrar soluções, levando em consideração as necessidades recíprocas e as razões. “A alternativa é impor deveres que trariam reações e, em seguida, encontrar em alguns meses às disposições da OMC sobre empréstimos à Boeing”, acrescentou. Para Mattarella, as tensões comerciais não são benéficas para ninguém e a imposição recíproca de impostos é prejudicial para todas as economias. Trump, por sua vez, disse que não quer ser “duro com a Itália” e discutirá o assunto”.

No diálogo, os dois líderes também reforçaram a “grande amizade” e a “plena cooperação” que há entre Itália e EUA.

De acordo com um funcionário de alto escalão do governo americano, Trump “está muito satisfeito com a decisão do governo italiano de fortalecer sua segurança cibernética, incluindo a proposta do decreto do mês passado que permitirá a Roma excluir fornecedores e equipamentos de suas redes 5G não confiáveis”.

O encontro

Mattarella foi recebido nesta manhã na Casa Branca pela guarda de honra militar. Bandeiras americana e italiana decoraram a entrada da recepção diplomática. Após os cumprimentos, ele e Trump posaram para fotos.

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi Di Maio, também fez parte da delegação presente em Washington. “É uma grande honra receber um homem tão respeitado como você.É um prazer tê-lo na Casa Branca”, disse o magnata ao dar boas vindas ao italiano. “As relações com a Itália são excelentes. Nunca foram tão boas”, acrescentou Trump.

O líder americano ainda contou que o governo italiano acabou de comprar 90 novos caças supersônicos F-35, de fabricação norte-americana, conforme previa o programa de defesa do país europeu.

Crise na Líbia

Após o encontro, os dois líderes participaram de uma coletiva de imprensa, na qual o chefe de Estado norte-americano avaliou o caos na Líbia e disse que o país trouxe uma crise migratória que está pressionando injustamente a Itália.

Segundo o magnata, assim como os Estados Unidos, o governo italiano não quer abrir as fronteiras, por isso ele espera que a União Europeia (UE) “lide mais com esse problema”. A Líbia é palco de conflitos e os migrantes vivem em centros de detenção e campos de acolhimento.

A Itália, por sua vez, tenta mediar a crise e a resolução do conflito é uma das prioridades de sua política externa, já que o país africano se tornou um dos principais pontos de partida para viagens de migrantes no Mediterrâneo. (O Globo)