BIANUAL

BIANUAL

A partir de
Por R$ 299,00

ASSINAR
ANUAL

ANUAL

A partir de
Por R$ 178,00

ASSINAR
ANUAL ONLINE

ANUAL ONLINE

A partir de
Por R$ 99,00

ASSINAR


Mosaico Italiano é o melhor caderno de literatura italiana, realizado com a participação dos maiores nomes da linguística italiana e a colaboração de universidades brasileiras e italianas.


DOWNLOAD MOSAICO

Baixe nosso aplicativo nas lojas oficiais:

Início » Silêncio e verdade

Silêncio e verdade

11 de outubro de 2007 - Por Comunità Italiana
Meu amigo Viorel Pîrligras, poeta e artista plástico romeno – impressionado com o que considera excessivo na imprensa literária de nossos dias – me pergunta se as coisas no Brasil ainda guardavam algum resquício de pudor, se havia ataques e difamações em nosso meio e como reagiam os escritores. Disse-lhe de pronto que o assunto não me interessava. Que aprendi com Machado de Assis a me ater ao plano da obra e das idéias. Que não atacava ninguém e tampouco me defendia do que quer que fosse. Bastava-me o trabalho sério e consciencioso dentro dos livros. O combate de idéias, de dentro, e não o de pessoas, e além do horizonte ético e literário. Disse que no Brasil – salvo raras exceções – havíamos alcançado um estágio relevante. Dei a Viorel uma idéia da altura de Machado, a partir de alguns trechos que transcrevo abaixo e subscrevo com todas as minhas forças. “Não te envolvas em polêmicas de nenhum gênero, nem políticas, nem literárias, nem quaisquer outras; de outro modo verás que passas de honrada a desonesta, de modesta a pretensiosa, e em um abrir e fechar de olhos perdes o que tinhas e o que eu te fiz ganhar.”
*
“Estabelecei a crítica, mas a crítica fecunda e não a estéril, que nos aborrece e nos mata, que não reflete nem discute, que abate por capricho ou levanta por vaidade; estabelecei a crítica pensadora sincera, perseverante, elevada –, será esse o meio de reerguer os ânimos, promover os estímulos, guiar os estreantes, corrigir os talentos feitos; condenai o ódio, a camaradagem e a indiferença – essas três chagas da crítica de hoje –, ponde em lugar delas, a sinceridade, a solicitude e a justiça – e só assim que teremos uma grande literatura.”
*
“Para que a crítica seja mestra, é preciso que seja imparcial – armada contra a insuficiência dos seus amigos, solícita pelo mérito dos seus adversários – e neste ponto a melhor lição que eu poderia apresentar aos olhos do crítico, seria aquela expressão de Cícero, quando César mandava levantar as estátuas de Pompeu: – É levantando as estátuas de teu inimigo que consolidas as tuas próprias estátuas”.
*
“O crítico deve ser independente – independente em tudo e de tudo – independente da vaidade dos autores e da vaidade própria. Não deve curar de inviolabilidades literárias, nem de cegas adorações; mas também deve ser independente das sugestões do orgulho, e das imposições do amor-próprio. A profissão do crítico deve ser uma luta constante contra todas essas dependências pessoais, que desautoram os seus juízos, sem deixar de perverter a opinião.”
*
“Criticados que se desforçam da crítica literária com impropérios dão logo idéia de uma imensa mediocridade – ou de uma fatuidade sem freio – ou de ambas as coisas; e para lances tais é que o talento, quando verdadeiro e modesto, deve reservar o silêncio do desdém: Non ragionar di lor, ma guarda e passa.”

Comunità Italiana

A revista ComunitàItaliana é a mídia nascida em março de 1994 como ligação entre Itália e Brasil.

Leia também outras matérias da nossa revista.



Comentários

Leia agora a edição 292

ENQUETE

Após o resultado das eleições brasileiras e italianas, você acredita que os laços entre as duas nações se fortalecerão?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

NOSSO E-BOOK GRÁTIS

SIGA NAS REDES

HORA E CLIMA EM ROMA

  • 06h30
fique por dentro

Não perca
nenhuma
notícia.

Cadastra-se na nossa ferramenta e receba diretamente no seu WhatsApp as últimas notícias da comunidade.