O vice-premier e ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, criticou nesta segunda-feira (26) a possível aliança entre o Movimento 5 Estrelas (M5S) e o Partido Democrático (PD), que mantêm negociações para um acordo político.

“Parece que aqueles que disseram que aconteceu uma reviravolta de longo prazo estavam certos”, disse o ministro do Interior em coletiva de imprensa. “Estou orgulhoso do que fizemos pela Itália e pelos italianos.   

Alguém quer desmantelar o que fizemos até agora para o contrato dos assentos”, afirmou o líder da Liga Norte. Segundo Salvini, “a festa das poltronas está vencendo” e um governo está prestes a nascer com “um jogo do palácio oposto à maioria silenciosa de povo italiano que votou por dois anos”, o que é “uma reviravolta de longo prazo”.   

“Não estamos fazendo apelos às praças, continuo a garantir estabilidade a este país. O caminho é a votação”, insistiu o vice-premier italiano, ressaltando que “quem tem medo do voto do povo não tem uma consciência tranquila”.

Salvini recordou que o governo de coalizão com o M5S era “estável”, mas “agora há dúvida de que este ainda é controlado remotamente”. Fazendo referência à votação da nova presidente da Comissão da União Europeia (UE), Ursula Von der Leyen, Salvini afirmou que o acordo nascido em Bruxelas tinha o objetivo de “trazer a Itália de volta”.

“Estou horrorizado com a ideia de que alguém queira desmantelar os decretos de segurança , os decretos sobre bancos, a cota 100, as iniciativas relacionadas à escola”, continou Salvini atacando o PD.

O ministro italiano ainda ressaltou sua insatisfação com os governos e afirmou que também está convencido de que desmascarou um jogo que alguém está preparando há muito tempo.

“Temos ideia muito claras sobre o que vamos dizer ao presidente [Sergio] Mattarella”, completou.

As declarações de Salvini foram dadas enquanto os líderes do M5S, Luigi Di Maio, e do PD, Nicola Zingaretti, tentam encontrar saídas aos entraves para chegarem a um consenso e formar um novo governo, depois que a coalizão entre Liga Norte e M5S foi rompida por Salvini no início do mês.