Evitando uma greve na Itália, a empresa de aviação resolveu negociar com os sindicatos

A companhia de baixo custo Ryanair promoveu uma mudança em sua postura e reconheceu os sindicatos trabalhistas como legítimos.

Em uma decisão anterior, a empresa havia ameaçado os pilotos italianos que participassem da greve desta sexta-feira (15), na Itália.

A empresa irlandesa havia declarado que os funcionários que integrassem a greve seriam punidos.

A decisão causou indignação nos sindicatos e no governo italiano, pois diante da Constituição a greve seria legal.

“A Ryanair mudará sua antiga política de não reconhecer os sindicatos para evitar qualquer ameaça de interrupção a seus clientes e voos durante a semana de Natal”, foi a nota da companhia

Segundo a Ansa, além da greve que ocorreria hoje na Itália, sindicatos de outros países, ameaçaram paralisação na semana seguinte, de intenso fluxo por causa das festas de final de ano.

Diante de toda esta movimentação, a Ryanair enviou uma carta convidando os sindicais da Alemanha, Espanha, Irlanda, Itália, Portugal e Reino Unido para uma mesa de negociação.

Com o envio do convite, a greve foi suspensa na Itália.

Porém outros sindicais mantiveram as paralisações, já que a conversa foi endereçada apenas aos pilotos, esquecendo-se dos outros funcionários.

De acordo com a Ansa, nesta sexta a Itália também assiste greves na Alitalia, a maior companhia aérea do país e na Enav, a responsável pelo tráfego aéreo.