Após má campanha registrada no ano passado, 2019 indica crescimento na produção do azeite extra-virgem

Liderada pela Puglia – região localizada no sul da Itália e considerada um pulmão nacional do azeite – a estimativa é para uma boa recuperação na produção do azeite extra-virgem italiano, apesar dos problemas relacionados à Xylella, bactéria causadora de doenças em plantas economicamente importantes . 

Pesquisas realizadas pelos observatórios de mercado da Cia-Farmers italianos, Itália Olivicola e Aifo (Associação Italiana de Moinhos de Azeite), estimam uma produção de pouco mais de 330.000 toneladas de azeite em nível nacional, um número que quase dobra (+ 89%) a produção final do ano passado, totalizando cerca de 175 mil toneladas de produto.

O clima favoreceu a oliveira

O clima desta vez favoreceu o desenvolvimento da azeitona: o calor do verão e a baixa umidade, em particular, impediram os ataques da mosca da azeitona, como evidenciado por boletins fitopatológicos, apontando infestações raras e bem abaixo do limiar de danos causados ​​pela oliva em todo o território italiano. Segundo a Cia-Farmers, “a qualidade do azeite extra virgem será absolutamente excelente, sobretudo graças às intervenções e aos custos incorridos pelos agricultores nos meses do verão para a irrigação dos campos e, em meados de outubro, quase todas as cooperativas e fábricas d ‘A Itália terão iniciado a campanha de colheita “.

Protagonismo do Sul

2019 aponta ser um excelente ano para a Puglia (+ 175%), que, sozinha, estima produzir quase 60% do azeite extra-virgem nacional: o calcanhar da Itália será impulsionado pelas províncias com maior poder olivícola, Bari, Bat e Foggia, as áreas deterioradas pela terrível geada em fevereiro de 2018. Infelizmente, Salento, destruída pela Xylella, terá uma redução drástica em sua produção comparada com a (também negativa) do ano passado: atingira apenas 50% da produção sua produção de costume, valor inferior a 3 mil toneladas. Além da Puglia, a Calábria também apresenta estimativa para ter um ano bastante positivo: sua produção será 116% maior do que no ano passado, o que a mantém no segundo lugar entre as regiões italianas. 

A Basilicata, também no Sul do país, quase quadruplicará a produção do ano passado com 340%. Registros positivos também são esperados para a Sardenha (+ 183%), Campânia (+ 52%) e Molise (+ 40%). 

Em contrapartida, o balanço das Regiões Centrais não será tão positivo, devido à natureza cíclica da produção de azeitonas e ao atraso na floração causada pelas baixas temperaturas no início da primavera. Espera-se altas em Abruzzo (+ 52%) e Marcas (+ 63%), porém baixa na produção de Lácio (-19%), Toscana (-20%), Úmbria (-28 %) e Emília-Romanha (-50%).