O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, defendeu nesta segunda-feira (30) uma proposta para ampliar o direito a voto aos maiores de 16 anos

Atualmente, a maioridade eleitoral no país é de 18 anos, com exceção de eleições para o Senado, quando esse patamar sobe para 25 anos. “Seria ótimo abaixar o limite para votar a 16 anos”, disse Conte em uma transmissão ao vivo para estudantes. “Ainda não começamos a discutir isso no governo, mas podemos fazê-lo”, acrescentou o premier.   

O debate sobre a maioridade eleitoral na Itália voltou à pauta com uma entrevista do ex-primeiro-ministro Enrico Letta (2013-2014) ao jornal La Repubblica, na qual ele defende o limite de 16 anos. “É um modo de dizer aos jovens que os levamos a sério e reconhecemos que existe um problema de falta de representação de suas ideias e seus interesses”, declarou.   

A proposta também tem o apoio dos dois maiores partidos da base aliada. “O voto dos jovens de 16 anos é uma ideia que carregamos desde sempre. Os jovens devem ser respeitados, ouvidos e colocados no centro de nossas políticas. Se um jovem pode trabalhar e pagar impostos aos 16 anos, deveria ao menos ter o direito de votar e escolher quem decide sua vida”, disse o líder do Movimento 5 Estrelas (M5S) e ministro das Relações Exteriores, Luigi Di Maio. 

“Sempre fui favorável ao voto para os jovens de 16 anos. A paixão civil de tantas garotas e tantos garotos que nos encontram todos os dias reforça essa ideia. Chegou a hora”, afirmou o secretário nacional do Partido Democrático (PD) e governador do Lazio, Nicola Zingaretti. (ANSA)