O prefeito de Milão, Giuseppe Sala, afirmou na sexta-feira (13) que está “disposto” a vender o San Siro para o Milan e a Internazionale

Atualmente, o tradicional estádio italiano pertence à cidade de Milão, mas os dois clubes lombardos estão cada vez mais interessados na ideia de adquirir o San Siro e construir uma nova arena.   

“No momento, existem duas possibilidades em cima da mesa: um [novo] estádio em San Siro ou um estádio em Sesto San Giovanni.   

Eu acrescentaria uma terceira: estamos dispostos a vender o San Siro, caso a possibilidade seja considerada”, explicou Sala.   

Ainda de acordo com o prefeito de Milão, o estádio custaria aos cofres dos dois times italianos cerca de 70 milhões de euros.   

“A construção do novo estádio é uma possibilidade que tememos, e obviamente não seria bem-vinda para nós, mas estamos falando de dois clubes particulares que, em seus legítimos interesses, poderiam fazer algo assim”, continuou o prefeito.   

O Milan e a Inter já apresentaram um projeto para demolir o San Siro e construir uma arena para 60 mil pessoas em um terreno adjacente, ao custo de 600 milhões de euros, financiados totalmente pela iniciativa privada.   

O projeto do novo estádio tem prazo de conclusão previsto para 2023, três anos antes das Olimpíadas de Inverno de 2026, que serão sediadas por Milão e Cortina d’Ampezzo. A iniciativa, no entanto, encontra resistência no mundo político.   

A construção de nova arena iria na direção contrária do dossiê enviado por Milão ao Comitê Olímpico Internacional (COI). No documento, a cidade italiana garantiu que a abertura dos Jogos seria feita no gramado do Giuseppe Meazza.   

LO histórico estádio, que foi inaugurado em 1926, passou pela sua última grande reforma no final dos anos 1980, quando fez o terceiro anel, realizado em função da Copa do Mundo de 1990, disputada na Itália. (ANSA)