A partir de junho, a polícia da Itália começará a usar oficialmente armas de choque elétrico, que bloqueia por alguns segundos os movimentos dos atingidos. Promovida pelo líder do partido ultranacionalista Lega, Matteo Salvini, a medida é uma maneira de tentar reduzir a letalidade de ações policiais caso os agentes se encontrem em situações de resistência.   

Desde setembro do ano passado, os chamados “tasers” são testados em 12 cidade italianas: Milão, Nápoles, Turim, Bolonha, Florença, Palermo, Gênova, Catânia, Pádua, Caserta, Reggio Emília e Brindisi.   

No entanto, assim que a medida entrar em vigor o país inteiro adotará a prática. O decreto ainda prevê que, além do spray de pimenta e a arma tradicional, o teaser faça parte do arsenal policial. A arma elétrica será confiada à Polícia de Estado, à Arma dos Carabineiros e à Guarda de Finanças.

Durante os testes, os agentes treinaram para usar um modelo de cor amarela. As diretrizes emitidas pelo Departamento de Segurança Pública definem o objeto como “uma arma pessoal”, que usa impulsos elétricos para inibir os movimentos do sujeito afetado. A distância aconselhável para um tiro efetivo é de 3 a 7 metros. A decisão de usar o taser foi tomada depois que um jovem foi morto pela polícia ao tentar agredir um agente. O equipamento também será usado pelo Vaticano na segurança do papa Francisco.