O Partido Democrático (PD, centro-esquerda) exigiu na quarta-feira (21) ao Movimento 5 Estrelas (M5S) uma mudança de gestão diante da crise migratória e na relação da Itália com Bruxelas (sede da União Europeia), assim como um novo programa econômico e social para que seja possível formar governo e evitar a realização de eleições ainda neste ano.

Fontes do PD explicaram que foram exigidos cinco pontos, entre eles o respeito e a lealdade à filiação da Itália à União Europeia (UE) e o compromisso para fomentar que o projeto comum supere suas carências e avance para uma Europa de direitos, liberdades, solidariedade e sustentabilidade ambiental e social.

Além disso, o partido exige que haja um “ponto de inflexão na organização e gestão dos fluxos migratórios baseado nos princípios de solidariedade, legalidade, segurança e direitos humanos, em pleno cumprimento dos convênios internacionais e em estreita corresponsabilidade com as instituições e governos europeus”.

O PD quer se distanciar da gestão dos últimos 14 meses aplicada pelo líder da Liga, Matteo Salvini, que manteve uma política de portos fechados às ONGs com migrantes resgatados a bordo.

Além disso, o PD também quer acordar com o M5S um “novo programa econômico e social centrado na igualdade social, territorial, geracional e de gênero”, que fomente o investimento em crescimento com atenção à sustentabilidade ambiental e ao desenvolvimento, e que exista pleno reconhecimento às instituições democráticas, à Constituição e ao papel central desempenhado pelo Parlamento no país.

As fontes indicaram que, se houver estas condições, esta força política estará disposta a formar um Executivo que dure e que tenha como objetivo imediato a elaboração do Orçamento Geral para 2020 visando a potencialização do crescimento em uma economia estancada.

O secretário-geral do PD, Nicola Zingaretti, criticou em declarações aos veículos de imprensa a gestão de Governo do M5S e da Liga, “responsável por uma paralisia da economia, um empobrecimento generalizado, um setor empresarial mais pobre e um isolamento sem precedentes da Itália no cenário europeu e internacional”.

Zingaretti pediu que, se o PD e o M5S constituírem uma aliança, o novo gabinete será totalmente diferente do anterior quanto ao programa e à equipe governamental.

(com informações da EFE)