BIANUAL

BIANUAL

A partir de
Por R$ 299,00

ASSINAR
ANUAL

ANUAL

A partir de
Por R$ 178,00

ASSINAR
ANUAL ONLINE

ANUAL ONLINE

A partir de
Por R$ 99,00

ASSINAR


Mosaico Italiano é o melhor caderno de literatura italiana, realizado com a participação dos maiores nomes da linguística italiana e a colaboração de universidades brasileiras e italianas.


DOWNLOAD MOSAICO

Baixe nosso aplicativo nas lojas oficiais:

Início » Partidos italianos se movimentam em vista das eleições em 25 de setembro

Partidos italianos se movimentam em vista das eleições em 25 de setembro

25 de julho de 2022 - Por Comunità Italiana
Partidos italianos se movimentam em vista das  eleições em 25 de setembro

Com as eleições marcadas para o dia 25 de setembro, os partidos italianos se movimentam de maneira intensa no início dessa semana. Em entrevista nesta segunda-feira (25) à rádio “Anch’io”, o governador da região de Lazio, onde fica a capital Roma, Nicola Zingaretti, do centro-esquerda Partido Democrático (PD), afirmou que pode concorrer a uma vaga ao Parlamento no pleito antecipado.

“Isso depende muito do meu partido, mas eu sou um administrador graças aos cidadãos da minha comunidade há 14 anos porque sempre vencemos juntos as eleições. Eu estou à disposição de um projeto político, mas isso dependerá do Enrico [Letta, secretário-geral do PD] e do grupo de diretores do PD”, afirmou o político.

Lembrando que seu mandato termina nesta legislatura, já que foi reeleito ao cargo, Zingaretti disse que “combaterá, rua por rua e nas praças, para voltar a dar esperança para esse país, que é minha gente e minha comunidade”.

Quem também se manifestou nesta segunda foi o coordenador nacional do partido conservador Força Itália (FI), Antonio Tajani. Em entrevista à RAI3, o político falou sobre quem poderia ser a liderança de uma possível coalizão de centro-direita – grupo de três legendas que tem tudo para formar um novo governo a partir de setembro.

“Primeiro nós precisamos vencer a partida e depois vemos quem levantará a taça. Nós não temos conclusões antecipadas sobre ninguém e espero que os outros também não tenham”, disse referindo-se aos partidos de extrema-direita Liga e Irmãos da Itália (FdI) – este último, líder das intenções de voto.

Sobre o anúncio de Silvio Berlusconi de concorrer novamente ao Senado, Tajani disse que o ex-premiê italiano “pode fazer tudo que quiser”. “Todos reconhecem o papel que ele teve e ele é quem vai decidir. Mas, não tem nenhum acordo ou pacto”, pontuou ainda.

Berlusconi foi senador entre março e novembro de 2013, quando teve seus direitos políticos cassados por causa de uma condenação definitiva por fraude fiscal envolvendo sua empresa de mídia, a Mediaset.

No entanto, a inelegibilidade terminou em 2018, o que permitiu que o ex-premiê se elegesse deputado do Parlamento Europeu no ano seguinte. Berlusconi ainda responde a diversos processos por suborno de testemunhas e, em um deles, o Ministério Público de Milão pediu sua condenação a seis anos de cadeia.  

Apesar do otimismo de Tajani, o FI – considerado uma força de centro-direita – não para de perder peças importantes por conta da decisão de se abster na votação de confiança no Senado que derrubou o governo de Mario Draghi.

Após as saídas dos ministros Mariastella Gelmini e Renato Brunetta, nesta segunda foi a vez da deputada Annalisa Baroni a deixar o FI. A justificativa foi a mesma dos dois: a “submissão” à vontade do líder da Liga, Matteo Salvini.

“A posição política assumida pelo partido em plena crise de governo foi desconcertante. Nunca pensei que o FI ajudasse [Giuseppe] Conte e o Movimento 5 Estrelas [M5S] na responsabilidade de derrubar o Executivo, condenando o país à instabilidade e colocando em risco várias medidas importantes em favor das famílias e de centros produtivos. Não me reconheço mais nesse FI que há tempos só segue Salvini e seu populismo.

Tem razão Gelmini ao dizer que no Força Itália não há mais espaço para os moderados”, afirmou Baroni.

Gelmini, por sua vez, anunciou que vai conversar com o líder do grupo político Ação, de Carlo Calenda, para unir forças em um plano de governo que quer seguir “a agenda Draghi”.

Italianos aprovam governo Draghi

A primeira pesquisa de opinião após a queda do governo de Draghi, feita pela Quorum/YouTrend para o canal SkyTG24, mostra que a ampla maioria dos italianos aprovava a gestão do economista.

Para 57,5%, seu governo foi positivo e para 50,7% a decisão de apresentar sua renúncia por conta da perda de apoio da base de governo foi correta. Para 49,7%, porém, a decisão de sair é um evento negativo para a Itália (em particular, para 42% dos eleitores da Liga e do FI).

A pesquisa ainda perguntou quem era o principal responsável pela crise de governo e 41,1% disseram que é o líder do M5S, Giuseppe Conte. Sobre a responsabilidade na convocação de eleições antecipadas, 29% apontaram para Conte, 17,2% para Draghi e 11,1% para Salvini.

Já o presidente da Itália, Sergio Mattarella, segue sendo o político mais confiável da atualidade, com 64% das indicações.

Draghi aparece na sequência, com 54%. A terceira colocação fica com Giorgia Meloni, líder do FdI, com 38,7%.

A pesquisa também questionou sobre a intenção de votos dos italianos, e o FdI apareceu com 23,8%, seguido pelo PD (22,5%), Liga (13,4%), M5S (9,8%) e FI (8,3%).

Meloni promete manter política externa de Draghi

Líder nas pesquisas para as eleições de 25 de setembro, a deputada Giorgia Meloni prometeu manter a política externa do primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi, caso chegue ao poder.

Aos 45 anos de idade, Meloni é presidente do partido de ultradireita Irmãos da Itália (FdI), que aparece numericamente em primeiro lugar nas pesquisas, mas em empate técnico com o Partido Democrático (PD), de centro-esquerda.

Como o FdI integra uma coalizão conservadora que, segundo as sondagens, poderia obter maioria no Parlamento, Meloni surge como favorita à sucessão de Draghi.

“A política externa de um governo guiado pelo Irmãos da Itália será a mesma de hoje. Isso é uma condição para mim, e não acredito que os outros queiram colocá-la em discussão”, disse a deputada ao jornal La Stampa.

A declaração é um aceno para os eleitores que temem uma deriva pró-Rússia no caso de uma vitória da extrema direita. Draghi tem sido uma das vozes mais duras na União Europeia contra o regime de Vladimir Putin e defende que o Ocidente apoie a Ucrânia militarmente, posição com a qual Meloni concorda.

“Se nós [a Itália] não mandarmos armas, o Ocidente continuará mandando e vai nos considerar um país pouco sério. É preciso ter lucidez: não podemos pensar que é possível ser neutros sem consequências”, acrescentou a deputada.

O FdI integra uma coalizão conservadora ao lado da ultranacionalista Liga, de Matteo Salvini, e do moderado Força Itália (FI), de Silvio Berlusconi. Ambos condenam a invasão russa na Ucrânia, mas Salvini é contra o envio de armas a Kiev e até já usou camisetas com o rosto de Putin, enquanto Berlusconi é amigo de longa data do presidente russo.

A decisão dos dois de não participar de um voto de confiança no Senado na última quarta-feira (20) foi determinante para a queda de Draghi, que já havia perdido o apoio do antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S). (com dados da Ansa)

Comunità Italiana

A revista ComunitàItaliana é a mídia nascida em março de 1994 como ligação entre Itália e Brasil.

Leia também outras matérias da nossa revista.



Comentários
Array
(
    [0] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 11845
            [name] => 25 de Setembro
            [slug] => 25-de-setembro
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 11845
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 32
            [filter] => raw
        )

    [1] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 1819
            [name] => eleições
            [slug] => eleicoes
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 1819
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 57
            [filter] => raw
        )

    [2] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 7426
            [name] => Parlamento da Itália
            [slug] => parlamento-da-italia
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 7426
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 21
            [filter] => raw
        )

)

ENQUETE

Governo Lula completa um mês. Até o momento acha que está no caminho certo?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

NOSSO E-BOOK GRÁTIS

SIGA NAS REDES

HORA E CLIMA EM ROMA

  • 13h31
fique por dentro

Não perca
nenhuma
notícia.

Cadastra-se na nossa ferramenta e receba diretamente no seu WhatsApp as últimas notícias da comunidade.