O Partido Democrático da Itália (PD), de oposição, teve bons contatos iniciais com o governista Movimento 5 Estrelas (M5S) a respeito da possibilidade de formar uma coalizão, disse uma fonte do PD a par das conversas na segunda-feira (19).

Atual parceira de coalizão do 5 Estrelas, a Liga de extrema-direita disse que apresentará uma moção de desconfiança do primeiro-ministro, Giuseppe Conte, na tentativa de provocar uma eleição antecipada e cacifar sua popularidade crescente nas pesquisas.

Conte deve falar a respeito da crise política à Câmara Alta do Senado nesta terça-feira (20). Ele pode apresentar a renúncia imediatamente em seguida ao presidente italiano, Sergio Mattarella, ou esperar que uma votação parlamentar formal o afaste.

Existe uma incerteza generalizada sobre como o tumulto terminará, e o M5S não quis comentar o andamento de nenhuma conversa com o PD, dizendo que aguarda para ouvir o discurso de Conte.

Se Conte renunciar, Mattarella iniciará consultas a todos os partidos para ver se é possível compor um novo governo. Caso contrário, terá que dissolver o Parlamento e convocar novas eleições nacionais cerca de três anos e meio antes do prazo.

O líder do PD, Nicola Zingaretti, disse na segunda-feira que seu partido quer ver ou a formação de um “governo forte” com respaldo para reformar a Itália ou uma votação antecipada, descartando a possibilidade de uma gestão interina.

A Itália não realiza uma eleição no outono (do hemisfério norte) desde a Segunda Guerra Mundial, porque os últimos meses do ano são tradicionalmente dedicados à elaboração do Orçamento —um momento-chave para um país com uma das maiores dívidas públicas do mundo.

(com informações da Reuters)