BIANUAL

BIANUAL

A partir de
Por R$ 299,00

ASSINAR
ANUAL

ANUAL

A partir de
Por R$ 178,00

ASSINAR
ANUAL ONLINE

ANUAL ONLINE

A partir de
Por R$ 99,00

ASSINAR


Mosaico Italiano é o melhor caderno de literatura italiana, realizado com a participação dos maiores nomes da linguística italiana e a colaboração de universidades brasileiras e italianas.


DOWNLOAD MOSAICO

Baixe nosso aplicativo nas lojas oficiais:

Início » Partido Democrático aprova programa de governo para eleições italianas de 25 de setembro

Partido Democrático aprova programa de governo para eleições italianas de 25 de setembro

15 de agosto de 2022 - Por Comunità Italiana
Partido Democrático aprova programa de governo para eleições italianas de 25 de setembro

O Partido Democrático, sigla de centro-esquerda, aprovou por unanimidade no ultimo sábado (13) seu programa de governo em caso de vitória nas eleições do próximo dia 25 de setembro. O documento tem como três principais pontos a defesa da União Europeia, o desenvolvimento sustentável e o crescimento da economia. Chamado de “Juntos por uma Itália democrática e progressista”, o documento final foi apresentado de maneira formal no domingo (14). No entanto, o secretário-geral da sigla, Enrico Letta, já havia antecipado diversos pontos do texto.

“São três os temas que acreditamos profundamente. Querem fazer com que a Itália volte para trás e não permitiremos isso. Há o grande tema da União Europeia, da democracia e da participação popular que para nós é elemento-chave. […] Temos o desenvolvimento sustentável, em que a Itália precisa apostar para o futuro. […] E também o crescimento e os postos de trabalho. Somos os únicos entre os grandes partidos que fala sobre isso e que vota de maneira coerente no nível nacional e também na UE”, destacou.

Entre as informações divulgadas, também há a indicação de que o PD irá aprovar a chamada “Lei Zan”, que torna crime a homofobia e a transfobia no país – em projeto que está parado no Senado por conta dos partidos de direita e extrema-direita. Além disso, haverá a introdução do “matrimônio igualitário porque um país civil não exclui, não marginaliza e não estigmatiza” as pessoas LGBTQIA+.

Outro ponto de oposição ao programa do chamado “bloco de centro direita”, que inclui as siglas de extrema-direita Irmãos da Itália (FdI) e Liga e o conservador Força Itália, é a questão da migração.

O programa do PD informa que haverá a “introdução do jus Scholae para superar as injustificadas discriminações que ainda hoje vemos nas escolas italianas”. “A norma não é só uma civilidade, mas é antes de tudo um bom senso. Quem é filho de pais estrangeiros e completa um ciclo de estudos na Itália torna-se cidadão”, diz o rascunho do texto.

Também neste caso o projeto de cidadania está em debate no Parlamento e, pelo documento que está sendo debatido, toda criança que é filha de pais estrangeiros ou chegou no país até os 12 anos de idade tem direito à cidadania desde que frequente regularmente a escola por pelo menos há cinco anos. Atualmente, uma criança nascida ou que chega a Itália só pode solicitar a cidadania aos 18 anos, em processo lento e burocrático.

O rascunho ainda aponta a meta de criar 500 mil residências populares em 10 anos e, para isso, serão “utilizadas intervenções de regeneração urbana para limitar ao máximo o consumo do solo e para dar nova vida a espaços menos cuidados das nossas cidades”.

Outro destaque é o reforço de uma proposta, que também tinha o apoio de Mario Draghi, de buscar uma “defesa comum na União Europeia”. “Precisamos fazer com decisão um projeto de integração, racionalização e coordenação da política de segurança e defesa europeia, valorizando a autonomia estratégica da União Europeia”, ressalta o texto.

Vídeo em resposta a Meloni 

Além da aprovação do documento, Letta também divulgou no sábado um vídeo em resposta à publicação feita por sua rival, Giorgia Meloni, do FdI.

Segundo as pesquisas de opinião, PD e FdI estão em empate técnico na liderança das pesquisas de intenção de votos. No entanto, o “bloco de centro-direita” tem um percentual maior quando comparado às uniões políticas feitas pela esquerda.

Assim como Meloni, o vídeo foi divulgado em três idiomas – francês, inglês e espanhol – e começa afirmando que o PD “sempre foi profundamente europeísta”.

Destacando que busca uma UE cada vez mais integrada em diversos temas importantes, como saúde e economia, Letta diz que “tudo isso só pode ser feito sem nacionalismos nos países europeus e se cada país buscar ficar junto aos outros de maneira solidária”.

Letta ainda pediu uma reforma no sistema de votação unânime e de vetos individuais para projetos importantes porque isso é algo que “a extrema-direita sempre quis”.

“Esse mesmo direito de veto que [Viktor] Orbán, amigo e aliado da extrema-direita italiana, usa cada vez que quer prejudicar a Europa – assim como fez na votação contra as sanções à Rússia ou sobre questões migratórias”, disse ainda.

“Os fatos são mais importantes do que os discursos de campanha eleitoral. E os fatos mostram que a direita jamais apoiou o programa Próxima Geração no Parlamento Europeu. Nunca apoiou a criação de uma ‘Europa da saúde’ e as escolhas de solidariedade para países em maior dificuldade, como a Itália. Essa direita votou contra todos os fatos mais importantes debatido contra as mudanças climáticas”, pontuou ainda.

Em um ataque mais direto ao FdI, Letta destacou que a sigla é “aliada do Vox, o partido espanhol de extrema-direita que tem entre as suas principais ideias os valores do franquismo, que reivindica”. “O Vox, como todos os partidos da extrema-direita considera a União Europeia uma ameaça para a soberania de seus países. E seus programas visam por fim à integração europeia. […] Eles representam o ultranacionalismo, o negacionismo das mudanças climáticas, o ultranacionalismo que é contra a migração, contra a comunidade LGBTQIA+”, destaca.

Na parte final do vídeo, Letta fala sobre o governo da direita de 2011 e ressalta que o “último governo [Silvio] Berlusconi deixou o país à beira da falência e nós precisamos passar por anos e anos de sacrifício para superar essa dramática situação”. (com dados da Ansa)

Comunità Italiana

A revista ComunitàItaliana é a mídia nascida em março de 1994 como ligação entre Itália e Brasil.

Leia também outras matérias da nossa revista.



Comentários
Array
(
    [0] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 11845
            [name] => 25 de Setembro
            [slug] => 25-de-setembro
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 11845
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 32
            [filter] => raw
        )

    [1] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 11979
            [name] => Eleições Italianas
            [slug] => eleicoes-italianas
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 11979
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 2
            [filter] => raw
        )

    [2] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 1732
            [name] => Partido Democrático
            [slug] => partido-democratico
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 1732
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 26
            [filter] => raw
        )

    [3] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 565
            [name] => PD
            [slug] => pd
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 565
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 60
            [filter] => raw
        )

)

ENQUETE

Você ficou satisfeito com o resultado das eleições parlamentares da Itália?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

NOSSO E-BOOK GRÁTIS

SIGA NAS REDES

HORA E CLIMA EM ROMA

  • 22h19
fique por dentro

Não perca
nenhuma
notícia.

Cadastra-se na nossa ferramenta e receba diretamente no seu WhatsApp as últimas notícias da comunidade.