Segundo afirmações do diretor-presidente da TIM Brasil, Stefano De Angelis, as trocas que estão ocorrendo na matriz italiana seriam um impulso para a operadora

De acordo com a Ansa, a principal acionista da TIM italiana, o grupo frânces Vivendi, passou a comandar a empresa, porém para De Angelis isso não interferiria no Brasil.

 

“Absolutamente, não. Esse pode ser até um impulso maior para o crescimento da TIM, como a gente quer fazer”, declarou o executivo, durante uma coletiva de imprensa no Futurecom 2017, feira de telecomunicações que acontece em São Paulo (SP).

De Angelis também elogiou o novo comandante da TIM na Itália, o fundador da GVT, ex-presidente da Telefônica Brasil, Além disso, Amos Genish.

“Ter na Itália um especialista em Brasil como o Amos Genish é um benefício. Explicar o que acontece em um país que fica a 12 mil quilômetros é complicado, e ter uma pessoa que o conhece até melhor facilita muito”, disse.

O diretor-presidente também foi perguntado sobre a situação da Oi e afirmou que, antes de discutir qualquer hipótese, é preciso aguardar o desenrolar do processo de recuperação judicial enfrentado pela operadora, que soma R$ 65 bilhões em dívidas.

“Esse é um tema que a gente vê que não vai se resolver antes de três, quatro meses. É um tema de 2018”, declarou.