Italiano admitiu recentemente sua culpa por quatro assassinatos

Em sua primeira entrevista na cadeia, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que não se arrepende de ter autorizado a permanência do italiano Cesare Battisti no Brasil.

“Não me arrependi, porque não sabia. Eu recebi informações através do Ministério da Justiça, que conhecia o processo, que ele não tinha crimes. Aí o Tarso [Genro, então ministro da Justiça] tomou a decisão. Agora, se depois disso ele assumiu o que fez, eu lamento profundamente”, disse Lula aos jornais El País e Folha de S. Paulo.

Em seguida, no entanto, o ex-presidente lançou dúvidas sobre o modus operandi da Justiça italiana.

“Também não sei as condições em que ele confessou… Uma porradinha aqui, outra ali, um choquinho aqui… Aí o cara termina falando coisa que não fez…”, acrescentou.

Questionado se acreditava que isso poderia acontecer na Itália, Lula respondeu: “Não sei, é uma suposição”.

Battisti foi repatriado por seu país em janeiro e cumpre pena em um cárcere na Sardenha, mas tenta reverter a sentença para 30 anos de prisão.

Recentemente, o ex-membro do grupo terrorista Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) admitiu participação nos quatro assassinatos pelos quais foi condenado à prisão perpétua, após ter passado quatro décadas alegando inocência.