Enquanto que os homens prevalecem entre os doadores mortos

As mulheres são responsáveis por 66% das doações de órgãos em vida na Itália, o maior índice em toda a Europa, cuja média é de 58%. Os números fazem parte de um estudo sobre diferenças de gênero divulgado pelo Centro Nacional de Transplantes.

Entre 2001 e 2017, 3.487 pessoas doaram um rim ou uma porção do fígado no país, sendo 2.322 mulheres (66,6%) e 1.165 homens (33,4%).

Em toda a Europa, de acordo com o Diretório Europeu para Qualidade da Medicina (EDQM), o país que mais se aproxima da generosidade das mulheres italianas é a Espanha (65%).   

Já entre os doadores mortos, os homens prevalecem, com 55% do total (9.912 de um total de 17.980). Segundo o Centro Nacional de Transplantes, isso se deve à maior presença masculina entre as vítimas de falecimentos por traumas na cabeça (73%).