O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, afirmou que a boate Lanterna Azzurra da cidade de Corinaldo, onde seis pessoas morreram neste sábado após uma correria, “provavelmente” tinha “mais gente que o previsto e o permitido”.

“É provavelmente certo que no interior do local tinha muito mais gente que o previsto e o permitido”, declarou o ministro em entrevista à televisão pública italiana “RAI”.

Salvini também descartou que as portas de emergência do local estivessem fechadas e apoiou a explicação do chefe da polícia da província de Ancona, Oreste Capocasa, que ressaltou anteriormente que tudo aconteceu fora do estabelecimento, quando os jovens foram se amontoando, quebraram varandas e caíram, já que a boate fica em uma área elevada.

O ministro italiano assegurou em nota que as autoridades italianas farão todo o possível para “encontrar os responsáveis” e anunciou um minuto de silêncio em lembrança aos mortos, homenagem que acontecerá no início da concentração que programou com os eleitores do seu partido, a ultradireitista Liga, em Roma.

O estabelecimento foi isolado e as investigações para esclarecer o que ocorreu já estão em andamento, informa a imprensa local.

Os mortos são três meninas e dois meninos, com idades entre 14 e 16 anos, e uma mãe, de aproximadamente 40 anos. Dezenas de pessoas também ficaram feridas na correria, que ocorreu durante um show de rap.

Segundo as primeiras reconstruções dos fatos, supostamente alguém usou um spray de pimenta, o que fez as pessoas correrem para as saídas de emergência. Depois, segundo confirmou a polícia, alguns jovens foram se amontoando em uma área lateral e as varandas quebraram, motivo pelo qual caíram.

O chefe da polícia de Ancona informou ao canal de notícias públicas “Rainews” que 13 feridos estão em estado muito grave e que outros 60 em condições menos graves foram levados a hospitais da província.

(EFE)