A Prefeitura de Milão ordenou a suspensão dos serviços de compartilhamento de patinetes elétricos na cidade. As autoridades deram um prazo de três dias para que as empresas retirem os veículos das ruas.   

As companhias que oferecem o aluguel de patinetes foram informados nesta quarta-feira (14) da decisão, através de uma carta assinada pelos assessores Anna Scavuzzo (Segurança) e Marco Granelli (Mobilidade).

A Prefeitura decidiu suspender os serviços até que a cidade conclua a instalação de placas de orientações. Em junho, o ministro dos Transportes Danilo Toninelli assinou um decreto com as primeiras normas sobre patinete, as quais permitem que os veículos circulem em áreas de pedestres e em zonas com limites de até 30 km/h. Porém, cada município deve instalar sinalizações para os usuários saberem onde está autorizado o uso.

Em Milão, a velocidade máxima para os patinetes é de 6 km/h. Os veículos estão proibidos de circularem em calçadas e a multa mínima é de 26 euros por infração. Os patinetes chegaram a Milão em outubro de 2018, com a empresa Helbiz. No mês passado, a cidade já somava companhias operando com alugueis e compartilhamento de veículos.