BIANUAL

BIANUAL

A partir de
Por R$ 299,00

ASSINAR
ANUAL

ANUAL

A partir de
Por R$ 178,00

ASSINAR
ANUAL ONLINE

ANUAL ONLINE

A partir de
Por R$ 99,00

ASSINAR


Mosaico Italiano é o melhor caderno de literatura italiana, realizado com a participação dos maiores nomes da linguística italiana e a colaboração de universidades brasileiras e italianas.


DOWNLOAD MOSAICO

Baixe nosso aplicativo nas lojas oficiais:

Mario Draghi obtém voto de confiança do Senado da Itália

18 de fevereiro de 2021 - Por Comunità Italiana
Mario Draghi obtém voto de confiança do Senado da Itália

O primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi, obteve nesta quarta-feira (17) o voto de confiança do Senado com ampla maioria, confirmando o apoio pluripartidário a seu governo de união nacional. Com exceção do Irmãos da Itália (FdI), de extrema direita, todos os grandes partidos deram seu voto de confiança ao ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE), apesar de algumas dissidências já esperadas na base do antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), dono da maior bancada no Parlamento.

Com apenas duas abstenções, o placar terminou em 262 a 40 em favor do governo Draghi, que ainda passará pelo voto de confiança na Câmara nesta quinta-feira (18) antes de entrar plenamente em operação. O “sim” dos deputados já é dado como certo.

Além do M5S, Draghi reúne em sua base a Liga, legenda de extrema direita liderada por Matteo Salvini; o conservador moderado Força Itália (FI), de Silvio Berlusconi; o Itália Viva (IV), de centro; o Partido Democrático (PD), de centro-esquerda; e a coalizão Livres e Iguais (LeU), de esquerda; além de representantes de minorias linguísticas e dos italianos no exterior.

Ocupando um cargo político pela primeira vez na vida, o ex-presidente do BCE terá o desafio de acomodar interesses distintos de partidos historicamente adversários. Os pró-migrantes PD e LeU, por exemplo, coabitarão o governo com o ultranacionalista Salvini, que, por sua vez, vai conviver com o europeísmo da centro-esquerda e da centro-direita.

Já o M5S, que governou com a Liga e o PD, separadamente, nos últimos dois anos e meio, agora dividirá o ministério também com o partido de Berlusconi, o que vem provocando insatisfações em suas bases.

Das 23 pastas do governo Draghi, 15 foram repartidas entre as legendas políticas: M5S com quatro, PD, Liga e FI com três cada e LeU e IV com um. Já ministérios estratégicos para os objetivos de Draghi, como Economia (Daniele Franco), Educação (Patrizio Bianchi) e Transição Ecológica (Roberto Cingolani) foram entregues a “técnicos”.

O governo Draghi será o 67º em quase 75 anos de história republicana na Itália e o terceiro apenas na atual legislatura, iniciada em março de 2018.

Em 1º discurso, Draghi promete reformas e oportunidades para jovens e mulheres

O novo primeiro-ministro da Itália defendeu em seu primeiro discurso reformas estruturais para “proporcionar um país melhor e mais justo para nossos filhos e netos”. Algumas delas, segundo ele, “dizem respeito a problemas que estão em aberto há décadas, mas não devem ser esquecidos”. O foco são insegurança nos regulamentos e planos de investimento público, “que limitam o investimento de italianos e estrangeiros”.

Sob críticas por ter formado um ministério com poucas mulheres (8 entre os 25 cargos) e políticos jovens, ele afirmou que o país precisa melhorar as oportunidades para os dois grupos. “A verdadeira igualdade de gênero não significa um respeito farisaico pelas cotas para mulheres exigidas pela lei”, disse, afirmando que as mulheres italianas sofreram “uma das piores disparidades salariais da Europa”, “escassez crônica” em cargos de direção e devem ter igualdade nas condições de trabalho.

Draghi também afirmou que fará um governo “fortemente pró-Europa”. “Apoiar este governo significa compartilhar a irreversibilidade da escolha do euro e a perspectiva de uma União Europeia cada vez mais integrada”, afirmou o premiê -que, apesar de ser chamado de Super Mario justamente por sua atuação pela preservação do euro, tem em sua coalizão partidos “fortemente anti-Europa”.

A declaração do novo premiê veio um dia depois de pronunciamento antagônico de um dos mais eurocéticos de seus novos aliados, o populista Matteo Salvini, líder do partido de direita radical Liga. “Draghi disse que o euro é irreversível? Apenas a morte é irreversível, felizmente. A única coisa que não tem remédio é a decisão do bom Deus”, afirmou ele em entrevista a uma TV italiana na terça. Os discursos contraditórios dão uma pista de como deve ser a dinâmica do novo governo italiano, baseado em uma ampla coalizão bastante heterogênea, com integrantes que vão da esquerda à direita extrema.

Unidos para garantir a governança em meio a uma série crise na economia e na saúde, provocada pela pandemia de coronavírus, eles devem manter seus discursos tradicionais, de olho na próxima eleição presidencial italiana, no ano que vem.

Ex-presidente do Banco Central Europeu, Draghi nunca disputou um cargo político, mas é hoje a figura pública mais popular da Itália, com 60% de aprovação, segundo pesquisas. O fato de que os juros cobrados em empréstimos à Itália caíram depois que ele assumiu o governo mostra que a expectativa geral é que ele vai priorizar a reconstrução econômica do país, sem aventuras heterodoxas.

Uma de suas primeiras tarefas será coordenar o projeto de retomada para ter aprovados os repasses de cerca de 210 bilhões de euros (R$ 1,37 tri) dos fundos pós-pandemia da União Europeia.

No pronunciamento, ele afirmou que o papel do Estado deve ser “avaliado cuidadosamente” e se concentrar em áreas como pesquisa e desenvolvimento, educação, incentivos, regulamentação e tributos.

Sua prioridade de curto prazo, segundo o premiê, será o combate à pandemia -a Itália foi um dos países europeus mais atingidos pela primeira onda de Covid-19 e o confinamento rigoroso implantado para combatê-lo deve significar uma queda de quase 9% do PIB em 2020. Dados mais recentes do ECDC (centro europeu de controle de doenças) mostram queda nos números de casos, hospitalizações e mortes nas últimas semanas.

Draghi apresentou seu novo governo ao presidente Sergio Mattarella na última sexta (13) e assinou sua posse no sábado (14). Nesta quarta recebeu o voto de confiança do Senado e, na quinta-feira (18), será a vez da Câmara dos Deputados.

No discurso aos parlamentares, apelou por união: “Hoje, a unidade não é uma opção; a unidade é um dever. Mas é um dever impulsionado pelo que tenho certeza que une a todos: o amor pela Itália”. (com dados da Ansa e Afp)

Comunità Italiana

A revista ComunitàItaliana é a mídia nascida em março de 1994 como ligação entre Itália e Brasil.

Leia também outras matérias da nossa revista.



Comentários
Array
(
    [0] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 3482
            [name] => Governo da Itália
            [slug] => governo-da-italia
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 3482
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 54
            [filter] => raw
        )

    [1] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 4579
            [name] => Mario Draghi
            [slug] => mario-draghi
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 4579
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 83
            [filter] => raw
        )

    [2] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 1183
            [name] => Senado
            [slug] => senado
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 1183
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 25
            [filter] => raw
        )

    [3] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 3623
            [name] => Voto de confiança
            [slug] => voto-de-confianca
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 3623
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 8
            [filter] => raw
        )

)

ENQUETE

Grupo de partidos e associações da Itália iniciaram campanha para convocar um plebiscito sobre a descriminalização do cultivo e do uso da maconha. Você é a favor da liberação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

NOSSO E-BOOK GRÁTIS

SIGA NAS REDES

HORA E CLIMA EM ROMA

  • 08h59
fique por dentro

Não perca
nenhuma
notícia.

Cadastra-se na nossa ferramenta e receba diretamente no seu WhatsApp as últimas notícias da comunidade.