BIANUAL

BIANUAL

A partir de
Por R$ 299,00

ASSINAR
ANUAL

ANUAL

A partir de
Por R$ 178,00

ASSINAR
ANUAL ONLINE

ANUAL ONLINE

A partir de
Por R$ 99,00

ASSINAR


Mosaico Italiano é o melhor caderno de literatura italiana, realizado com a participação dos maiores nomes da linguística italiana e a colaboração de universidades brasileiras e italianas.


DOWNLOAD MOSAICO

Baixe nosso aplicativo nas lojas oficiais:

Máfia ensaia retorno em meio à crise do coronavírus na Itália

27 de maio de 2020 - Por Comunità Italiana
Máfia ensaia retorno em meio à crise do coronavírus na Itália

Abalado pelos impactos da epidemia, país europeu enfrenta agora possível ressurgimento da Camorra. Como outras no país, organização criminosa estaria ajudando a população necessitada para depois pedir algo em troca

Enquanto a Itália ainda se encontra em estado de recuperação devido à arrasadora epidemia de coronavírus, organizações criminosas de todo o país estão tentando usar essa situação para recuperar o controle sobre o território perdido nos últimos anos.

“Agora, mais do que nunca, o apoio popular é usado para se obter um desconto [para atividades mafiosas]”, diz Luigi Cuomo, presidente da SOS Impresa, organização italiana antiextorsão que protege pequenas e médias empresas.

Na Campânia, região sudoeste do país, a organização criminosa Camorra está atualmente se infiltrando na estrutura social, competindo com os esforços da sociedade civil para apoiar os habitantes locais.

Ao distribuir pacotes de alimentos ou notas de 50 euros (cerca de 300 reais), eles se aproximam dos mais vulneráveis que precisam de ajuda imediata. “Eles costumavam pedir dinheiro, agora eles dão. Eles estão dando em quantidades menores, depois pedirão algo em troca”, afirma Cuomo.

A Camorra está usando sua capacidade de sacar grandes quantidades de capital disponível para lavá-lo em negócios legais. “Registramos uma aceleração da prática que é facilitada pela propagação da crise”, continua Cuomo. “Agora, não há necessidade de ameaçar os negociantes. Os empresários estão procurando alguém para ajudá-los.”

Cuomo culpa o governo em Roma por atrasos, inépcia e confusão ao lidar com a crise que, segundo ele, impulsionou a percepção do dinheiro da máfia como uma oportunidade e último recurso para evitar a falência. Num esforço para controlar a situação, as autoridades apreenderam recentemente ativos no valor de 15 milhões de euros (cerca de 90 milhões de reais) em todo o país.

Economia alternativa

A legislação italiana permite que as propriedades confiscadas pertencentes a clãs criminosos sejam redirecionadas para projetos sociais. De acordo com estatísticas da Agência Nacional de Administração e Destinação de Bens Confiscados do Crime Organizado (ANBSC), pouco mais de 65 mil propriedades, incluindo terrenos, empresas, edifícios e canteiros de obras, foram confiscadas em toda a Itália nos últimos 20 anos.

Renato Natale, prefeito de Casal Di Principe, na província de Caserta, na região da Campânia ‒ cidade natal dos Casalesi, mais influente clã da Camorra ‒ conseguiu redirecionar 65% dos ativos confiscados.

O modelo de economia social de mercado permite que cidadãos e ONGs usem os ativos para negócios de cooperativas sociais, como cafés, restaurantes, centros culturais e de saúde ou fazendas orgânicas. “Do ponto de vista econômico, essas cooperativas não visam maximizar lucros, mas têm um forte impacto cultural, pois mostram que é possível se libertar dos modelos de negócios ilegais baseados na opressão”, diz Natale.

As famílias de sua cidade estão tentando obter os incentivos do governo em forma de vales de compras para reduzir o fardo. “Os setores de restauração e construção são as principais atividades aqui, mas tudo teve que parar”, aponta o prefeito. Mais de 1.200 famílias se inscreveram para obter os cupons de 500 euros (cerca de 3 mil reais).

No entanto, esses fundos podem atender apenas a metade dos pedidos: “Pegamos o restante do orçamento municipal”, diz. Natale espera que a população de Casal Di Principe não seja atraída pela aparente assistência social da Camorra. “Estabelecemos estruturas anti-Camorra, e existe um desejo de liberdade por aqui, mas precisamos que o governo aja estabelecendo fundos estruturais em todo o país para não perder o que conseguimos até agora.”

Propriedades à beira de um lago artificial
Autoridades apreenderam propriedades e empresas pertencentes a sindicatos italianos do crime

Atrasos burocráticos

Atrasos, falta de fundos e má administração das propriedades apreendidas as deixam muitas vezes paradas: “Enquanto os clãs as veem sem uso, eles pensam que é propriedade deles e mostram às pessoas a presença deles”, informa Luigi Cuomo.

A morosa burocracia significa que pode levar mais de 10 anos para que as propriedades possam ser legalmente transferidas da ANBSC para as autoridades locais. Além disso, os ativos geralmente ficam ociosos, pois constituem um fardo para os orçamentos municipais.

“Recebemos [até agora] neste ano 22 propriedades adicionais da ANBSC”, informa o prefeito Natale. “Precisaríamos investir dinheiro para adequá-las ao uso, mas devido à crise, temos ainda menos recursos para pôr de lado.”

Aqui e ali, a falta de ação das autoridades locais é vista como consentimento tácito das operações dos clãs.

“Precisamos de mais transparência”, afirma Bernardo Diana, presidente da organização sem fins lucrativos RAIN Arcigay, em Caserta, na Campânia. Em sua cidade, existem mais de 150 bens confiscados. “A maioria deles está listada como indisponível, mas eles estão lá”, afirma o ativista.

Em abril de 2019, a organização recebeu uma propriedade de uma das maiores áreas confiscadas em outra cidade, Castel Volturno. Diana planeja criar ali um abrigo para pessoas LGBTI marginalizadas por suas famílias. A danificada mansão foi restaurada com os fundos da ONG. “Durante a Páscoa, os canos de água quebraram e a mansão ficou inundada. Agora temos que começar tudo de novo”, diz Diana.

Luigi Cuomo, da SOS Impresa, afirma que tais esforços podem ajudar a enviar um sinal claro ao governo. “Esses ativos podem acabar sendo um monumento à incapacidade do Estado de administrar um legado que pode ser posto de volta no mercado para combater a expansão da economia ilegal.”

Solidariedade e investigações como armas eficazes

É preciso haver uma visão coerente e global para a luta contra as organizações criminosas. Atualmente, mais de 17 mil propriedades estão nas mãos da ANBSC. “O redirecionamento de ativos deve ser definido como uma meta política e estratégica, com uma intervenção massiva para combater os negócios ilegais”, diz o prefeito Renato Natale.

“O que nos dá esperança é o trabalho contínuo realizado pelos investigadores. Enquanto as apreensões ocorrerem e continuarem, elas provam ser importantes para tirar as bases da máfia”, aponta Cuomo.

O presidente da organização antiextorsão quer que o governo italiano dê um passo adiante e ponha a questão na agenda europeia. “Precisamos de uma maior colaboração em nível europeu, já que as organizações criminosas são capazes de movimentar capital financeiro para além de nossas fronteiras.”

Por enquanto, uma forma de solidariedade “bottom-up” (de baixo para cima) parece ser mais eficaz que os fundos do governo. No entanto, a SOS Impresa destaca a luta de grupos da sociedade civil que estão sendo intimidados pelos clãs para que parem de ajudar as pessoas.

“Muitos padres paroquiais foram ameaçados”, afirma Cuomo, e a sede da ONG Mani Tese em Nápoles foi depredada. As organizações locais estão fazendo o possível para derrotar a Camorra com suas próprias armas. “Como o Estado, temos a tarefa de permanecer próximos e apoiar nossas comunidades”, comenta Bernardo Diana. “No entanto, precisamos que o governo permaneça alerta.”
(Deutsche Welle)

Comunità Italiana

A revista ComunitàItaliana é a mídia nascida em março de 1994 como ligação entre Itália e Brasil.

Leia também outras matérias da nossa revista.



Comentários
Array
(
    [0] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 4911
            [name] => Camorra
            [slug] => camorra
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 4911
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 5
            [filter] => raw
        )

    [1] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 6438
            [name] => Coronavírus
            [slug] => coronavirus
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 6438
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 1475
            [filter] => raw
        )

    [2] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 6564
            [name] => Covid-19
            [slug] => covid-19
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 6564
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 1355
            [filter] => raw
        )

    [3] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 2770
            [name] => crise
            [slug] => crise
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 2770
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 19
            [filter] => raw
        )

    [4] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 795
            [name] => máfia
            [slug] => mafia
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 795
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 49
            [filter] => raw
        )

    [5] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 6602
            [name] => Pandemia
            [slug] => pandemia
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 6602
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 1280
            [filter] => raw
        )

)

ENQUETE

Grupo de partidos e associações da Itália iniciaram campanha para convocar um plebiscito sobre a descriminalização do cultivo e do uso da maconha. Você é a favor da liberação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

NOSSO E-BOOK GRÁTIS

SIGA NAS REDES

HORA E CLIMA EM ROMA

  • 20h33
fique por dentro

Não perca
nenhuma
notícia.

Cadastra-se na nossa ferramenta e receba diretamente no seu WhatsApp as últimas notícias da comunidade.