A Justiça italiana confirmou a sentença de prisão perpétua para Cesare Battisti nesta quarta-feira (22), por envolvimento em quatro assassinatos

A defesa de Battisti argumentou que o acordo entre a Itália e o Brasil deveria ser aplicado: neste caso, a sentença não poderia ultrapassar os 30 anos.

Mas o Tribunal de Apelação de Milão entendeu que ele foi expulso da Bolívia, onde foi preso, e por isso o tratado com o Brasil não se aplica.

Cesare Battisti chegou ao Brasil em 2004. Era considerado foragido desde dezembro, quando o então presidente Michel Temer assinou o decreto de extradição.

O ex-militante do grupo Proletários Armados para o Comunismo foi condenado na Itália por quatro homicídios cometidos no final dos anos de 1970. Ele sempre negou os crimes, mas após voltar à Itália admitiu a participação.

Mesmo com prisão perpétua, Cesare Battisti poderá sair em breve da cadeia. Daqui a três anos e meio, quando tiver cumprido um total de dez anos da pena, já poderá pedir para passar para a prisão domiciliar.

Os anos de prisão que Battisti já cumpriu incluem o período em que ele ficou preso na Itália antes de fugir e ainda na França e no Brasil.

(Com informações do JN)