BIANUAL

BIANUAL

A partir de
Por R$ 299,00

ASSINAR
ANUAL

ANUAL

A partir de
Por R$ 178,00

ASSINAR
ANUAL ONLINE

ANUAL ONLINE

A partir de
Por R$ 99,00

ASSINAR


Mosaico Italiano é o melhor caderno de literatura italiana, realizado com a participação dos maiores nomes da linguística italiana e a colaboração de universidades brasileiras e italianas.


DOWNLOAD MOSAICO

Baixe nosso aplicativo nas lojas oficiais:

Início » Justiça analisa caso de prostituta brasileira violentada em Milão

Justiça analisa caso de prostituta brasileira violentada em Milão

24 de janeiro de 2008 - Por Comunità Italiana
A Justiça italiana realiza nesta quinta-feira uma audiência preliminar sobre o caso da prostituta brasileira violentada por um cliente em junho passado, em Milão.

A audiência, marcada no Tribunal de Justiça de Milão, irá decidir os rumos do processo aberto no Ministério Público contra o empresário do ramo imobiliário Paolo Nessi, acusado de violentá-la no quarto de um hotel no centro de Milão, na noite do dia 22 de julho.

O juiz encarregado, Giorgio Barbuto, irá ouvir os indiciados e decidir se Nessi deverá ser julgado em tribunal. Ele pode ainda apontar possíveis erros na investigação e pedir um novo inquérito ou tentar um acordo entre as partes.

Segundo relatos da imprensa italiana, Nessi já teria tentado, informalmente, oferecido uma indenização à brasileira, que teria recusado a oferta.

Depoimento

Segundo a promotoria, a brasileira, de 25 anos, cuja identidade é mantida em segredo pela Justiça, teria sido a quarta prostituta chamada por Nessi naquela noite. As três anteriores teriam deixado o quarto ao desconfiarem que ele não tinha o dinheiro combinado para o pagamento.

Em depoimento à polícia italiana, a brasileira afirmou que, ao repetir a ameaça de ir embora caso ele não aceitasse pagar a quantia estipulada, acabou espancada e violentada. Ela afirmou ainda que foi estuprada várias vezes pelo cliente na mesma noite.

O inquérito ouviu ainda que Nessi chegou a descer na portaria do hotel para tentar conseguir dinheiro em espécie, em vão.

Além do depoimento da brasileira, os policiais ouviram os funcionários do hotel e as outras três prostitutas.

Prisão

Como resultado da investigação, a justiça emitiu um mandado de prisão cautelar e Nesso foi preso em Mantova, no dia 31 de julho. Ele foi liberado logo em seguida sob pagamento de fiança.

O inquérito sugere que Nessi era um cliente conhecido pelos funcionários do hotel cinco estrelas, com diárias a partir de 500 euros (R$1,3 mil).

Segundo relatos de policiais, os funcionários fechavam o frigobar do quarto para evitar que Nessi, conhecido pelos seus problemas com álcool, ficasse bêbado.

Prostituição

De acordo com as autoridades italianas, o mercado do sexo movimenta, no país, nove milhões de clientes atendidas por cerca de 70 mil prostitutas, mais da metade composta por mulheres estrangeiras.

O giro de negócios alcança a cifra de 90 milhões de euros (R$235 milhões) por mês.

Na Itália, a prostituição não é considerada como crime, mas a sua exploração é ilegal.

 

Fonte: BBC Brasil

Comunità Italiana

A revista ComunitàItaliana é a mídia nascida em março de 1994 como ligação entre Itália e Brasil.

Leia também outras matérias da nossa revista.



Comentários

Leia agora a edição 292

ENQUETE

Você acredita que ainda pode haver uma reviravolta em relação às eleições brasileiras?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

NOSSO E-BOOK GRÁTIS

SIGA NAS REDES

HORA E CLIMA EM ROMA

  • 10h31
fique por dentro

Não perca
nenhuma
notícia.

Cadastra-se na nossa ferramenta e receba diretamente no seu WhatsApp as últimas notícias da comunidade.