Um grande incêndio atingiu a cidade de Siniscola, na ilha da Sardenha, enquanto que boa parte da Itália foi arrebatada pelo mau tempo que provocou inundações e até mortes

O fogo, que começou no domingo (28), fez com que 15 famílias fossem evacuadas, além de matar dezenas de animais silvestres e prejudicar plantações e fazendas, de acordo com a associação Coldiretti.   

As chamas atingiram a estrada 131, entre Nuoro e Olbia, que ficou totalmente bloqueada pelo fogo e pela fumaça. As altas temperaturas do verão europeu, aliadas aos ventos fortes, estão dificultando o trabalho do Corpo de Bombeiros e da Guarda Florestal, que tentam combater o incêndio com helicópteros.

“As casas foram evacuadas temporariamente, porque acreditamos que as moradias poderiam ser invadidas pelo fogo”, disse o prefeito de Siniscola, Gianluigi Farris.

O outro lado do verão

O mau tempo que cobriu boa parte da Itália neste fim de semana deixou ao menos três pessoas mortas, incluindo um idoso e uma atleta norueguesa.

Em Fiumicino, nos arredores de Roma, uma mulher de 27 anos morreu ao ter seu carro, um Smart, jogado a uma distância de 10 metros por um tornado. Segundo seu pai, ela havia saído para comprar cigarro em um posto de gasolina e tentou se proteger em um estacionamento.

O tornado também deixou um rastro de danos pela cidade. “O carro da pobre garota foi levantado pelo tornado e bateu contra uma mureta”, disse o prefeito de Fiumicino, Esterino Montino, acrescentando que a situação no município parece um “teatro de guerra”. Ele pediu que o governo da região do Lazio declare estado de calamidade na cidade.

Já em Arezzo, no centro da Itália, um homem de 72 anos que estava desaparecido desde a noite de sábado (27) foi encontrado morto neo domingo (28). Seu carro, arrastado por uma inundação, estava abandonado em uma passagem subterrânea, enquanto o corpo foi achado nos arredores de um canal, em meio a detritos e lama.

Antes disso, no sábado, uma atleta norueguesa já havia morrido ao ser atingida por um raio em uma maratona de montanha no Alto Ádige, extremo-norte da Itália. A mulher chegou a ser levada ao hospital de Bolzano, onde terminaria a prova, mas não resistiu.

A maratona estava interrompida na hora do incidente por causa do mau tempo, mas o grupo de atletas da norueguesa se encontrava em uma zona isolada e ainda não havia recebido o aviso.

(com informações da ANSA)