Em Nova York para a Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, afirmou nesta segunda-feira (23) que o país quer exercer um papel de liderança nas discussões sobre o “Green New Deal”.   

Essa ideia, inspirada no programa de investimentos para recuperar os Estados Unidos da Grande Depressão, prevê aportes bilionários para financiar projetos de energia renovável e financiar a transição para a economia verde.   

O Green New Deal está nos programas de governo de pré-candidatos democratas à Presidência dos EUA, como Bernie Sanders e Elizabeth Warren, e é uma promessa da nova coalizão de governo na Itália, que reúne o populista Movimento 5 Estrelas (M5S) e o centro-esquerdista Partido Democrático (PD).   

“A Itália quer a liderança no mundo e a primazia no tema do Green New Deal. Isso, obviamente, não significa taxar nosso sistema produtivo para liberar recursos, mas sim criar incentivos para reorientar todo o sistema”, declarou Conte ao chegar em Nova York.

Seu governo discute atualmente uma proposta do ministro da Educação Lorenzo Fioramonti (M5S) para aumentar os impostos sobre voos, refrigerantes e doces para financiar pesquisas em prol da saúde e do meio ambiente. “Nada está decidido, vamos avaliar isso juntos”, disse Conte, reconhecendo, no entanto, que se trata de uma “nova abordagem em termos de cultura alimentar”.   

Em sua viagem a Nova York, o premier italiano deve ter reuniões bilaterais com o presidente dos EUA, Donald Trump, com o mandatário do Egito, Abdel Fattah al Sisi, e com os primeiros-ministros da Índia, Narendra Modi, e do Paquistão, Imran Khan. (Ansa)