A cidade francesa de Amboise, no vale do rio Loire, é cenário nesta quinta-feira (02) das celebrações dos 500 anos da morte de Leonardo da Vinci, com uma cerimônia liderada pelos presidentes da França e da Itália

O gênio florentino, que encarnou o Renascimento europeu, viveu os três últimos anos de sua vida em Amboise, como convidado do rei Francisco I. Nessa cidade francesa, ele morreu em 2 de maio de 1519.

O presidente da França, Emmanuel Macron, e seu colega italiano, Sergio Mattarella, farão uma visita conjunta ao túmulo de Leonardo e a Clos Lucé, casa localizada na cidade onde ele viveu nos últimos anos de sua vida.

A comemoração conjunta acontecerá depois de meses de crescentes tensões diplomáticas entre Paris e Roma, após o apoio expresso do líder italiano aos protestos semanais dos chamados “coletes amarelos” na França.

Nesse período da pior tensão bilateral desde o final da Segunda Guerra Mundial, o governo Macron convocou seu embaixador em Roma para consultas, um gesto de gravidade incomum no ambiente diplomático.

No entanto, a presidência francesa vazou para a imprensa que o próprio Mattarella desempenhou um “papel essencial” na redução das tensões.

No sábado, a cidade de Amboise foi o centro de um forte protesto dos “coletes amarelos” e, portanto, para evitar problemas devido à presença de Mattarella, a cidade foi praticamente isolada na quarta-feira como uma medida de segurança.

Lojas, bares e restaurantes nas proximidades do palácio, onde o túmulo de Leonardo em Clos Lucé está localizado, devem ficar fechados nesta quinta-feira.

Emmanuel Honnet, dono do Café des Arts, ao lado do palácio, disse que as precauções eram “compreensíveis, dado o terrível clima social e o risco (de um ataque) de terrorista”.

No entanto, o comerciante de 51 anos não escondeu sua frustração ao perceber que os moradores de Amboise serão deixados de fora das celebrações.

“Deveria ser a memória de uma vida”, disse ele.

Macron será o primeiro presidente da França a visitar a cidade e o túmulo de Leonardo desde que Charles de Gaulle o fez em 1959.

Macron e Mattarella também visitarão o famoso castelo de Chambord, cuja impressionante escadaria de dupla hélice é atribuída a um desenho de Leonardo, apesar de sua pedra fundamental ter sido colocada quatro meses depois da morte do gênio italiano.

Arquiteto do rei

O rei Francisco I, conhecido como “o Rei Sol do século XVI”, é considerado um dos responsáveis por trazer o Renascimento à França.

Seu antecessor, Luís XII, iniciou o processo convidando arquitetos e artesãos de Florença, Milão e Roma para a França.

Leonardo tinha 64 anos quando aceitou o convite do então jovem rei Francisco.

Nessa fase de sua vida, o mestre florentino enfrentava a rivalidade das estrelas em ascensão Michelângelo e Rafael.

Na medida em que os pedidos de serviço começaram a declinar, Leonardo não hesitou em aceitar o convite do rei francês, que o contratou por um esplêndido salário para ser o “primeiro pintor, engenheiro e arquiteto do rei”.

Naquela época, Francisco I tinha apenas 23 anos e sua ambiciosa mãe, Luisa de Saboya, “sabia que Leonardo seria o homem que permitiria que seu filho prosperasse”, declarou à AFP Catherine Simon Marion, diretora do Clos Lucé.

Leonardo levou para Clos Lucé três de suas pinturas favoritas, que agora são conhecidas como “La Gioconda” ou “Mona Lisa”, “A Virgem, o Menino Jesus e Santa Ana” e “São João Batista”, obras que são encontradas no Museu do Louvre, em Paris.

Após o quinto centenário de sua morte, Itália e França chegaram a um acordo que fará com que o Louvre exiba, a partir de outubro, obras de Leonardo provenientes de museus italianos.

Com um portfólio com menos de 20 pinturas, muitos italianos reclamam que o Louvre tem nada menos que cinco obras de Leonardo, além de 22 de seus famosos desenhos.

Durante seus três anos em Amboise, Leonardo organizou festas para a corte francesa, e trabalhou no desenho de uma “cidade ideal” na localidade de Romorantin, projeto que finalmente ficou inacabado.

(AFP)