Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (Istat), a Itália se confirmou como o país mais idoso da União Europeia, com uma taxa de 168,9 pessoas com mais de 65 anos para cada 100 jovens com menos de 15. Novo recorde nacional.

Referentes a 1º de janeiro de 2018, os números dão mais uma prova do contínuo envelhecimento da população italiana. O índice anterior era de 168,7 idosos para cada 100 jovens.

“Em âmbito europeu, a Itália se mantém no primeiro lugar do ranking decrescente de índice de velhice”, diz o Istat.

Uma das razões é a baixa natalidade no país, que chegou a 1,32 filho por mulher em 2018, número bastante inferior ao mínimo suficiente para garantir a manutenção da população, cerca de 2,1 filho por mulher.   

O índice é o menor em toda a UE, junto com a Espanha. A Itália já acumula seguidos anos de redução populacional e busca maneiras de incentivar os casais a terem mais filhos.

O esvaziamento só não é maior devido à presença dos imigrantes, que totalizavam 5,1 milhões em 1º de janeiro de 2018 (8,5% da população total), um aumento de 1,9% na comparação com o ano anterior.   

Ainda assim, 12 países da UE têm proporcionalmente mais estrangeiros que a Itália, incluindo Alemanha (11,2%), Espanha (9,5%) e Reino Unido (9,2%).