BIANUAL

BIANUAL

A partir de
Por R$ 299,00

ASSINAR
ANUAL

ANUAL

A partir de
Por R$ 178,00

ASSINAR
ANUAL ONLINE

ANUAL ONLINE

A partir de
Por R$ 99,00

ASSINAR


Mosaico Italiano é o melhor caderno de literatura italiana, realizado com a participação dos maiores nomes da linguística italiana e a colaboração de universidades brasileiras e italianas.


DOWNLOAD MOSAICO

Baixe nosso aplicativo nas lojas oficiais:

Início » Índices futuros americanos têm leve recuperação após derrocada da véspera e mais destaques do mercado

Índices futuros americanos têm leve recuperação após derrocada da véspera e mais destaques do mercado

14 de setembro de 2022 - Por Comunità Italiana
Índices futuros americanos têm leve recuperação após derrocada da véspera e mais destaques do mercado

Por outro lado, bolsas asiáticas seguiram repercussão dos dados de preços ao consumidor acima do esperado nos EUA, com o Nikkei em queda de 2,78%

O mercado financeiro global abriu a quarta-feira (14) ainda se ajustando aos impactos da confirmada resiliência da inflação ao consumidor nos Estados Unidos. O maior impacto ficou com as bolsas asiáticas, que seguiram o tom de toda terça-feira no setor financeiro. Os futuros dos Estados Unidos, no entanto, operam em ligeira alta, enquanto o mercado europeu oscila para baixo na abertura.

Na manhã de ontem, o Departamento do Trabalho dos Estados divulgou uma variação de preços de 0,1% em agosto. Parece pouco, mas a expectativa do mercado era de uma inflação de 0,1%. Pior que isso foi a informação que o núcleo da inflação (que exclui energia e alimentos) saltou de 0,3% em julho para 0,6% no mês seguinte, dando claro sinal de que a alta de preços está mais disseminada.

O impacto foi imediato e permaneceu durante todo o dia: as Bolsas caíram, o dólar subiu ante uma cesta de moedas e os rendimentos dos títulos do tesouro americano (Treasuries) avançaram, já precificando uma recessão à frente.

A avaliação quase unânime dos analistas é que na reunião do Comitê de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) de 20 e 21 de setembro os integrantes do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) vão optar por uma nova alta da taxa de juros em 75 pontos-base. E a aposta de um aperto ainda mais dramático, de 100 pontos-base, também entrou no radar.

Não que houvesse dúvidas sobre o compromisso dos integrantes do Fed realizar o necessário para trazer a inflação para baixo. Os comunicados oficiais e as entrevistas das duas últimas semanas já traziam esse compromisso explícito.

Mas ainda havia espaço para discordâncias. Na segunda-feira (12) o vencedor do Nobel de Economia e ex-ecomomista-chefe do Banco Mundial Joseph E. Stiglitz assinou um artigo no Project Syndicate com o colega Dean Baker sugerindo que o Fed deveria “esperar e ver”. Eles alertavam para o risco de recessão. Agora, essas vozes consideras mais brandas (“dovish”) estão se calando. Ontem mesmo, o presidente Joe Biden declarou que “levará mais tempo e dedicação para reduzir a inflação”.

Em destaque, hoje serão divulgados os dados de preços ao produtor nos EUA, enquanto o Brasil terá os dados de vendas no varejo. Confira no que ficar de olho:

1. Bolsas mundiais

Estados Unidos

A sessão de hoje para os principais índices futuros dos EUA é de ajustes após o mau humor da terça-feira, com os investidores precificando uma alta de 0,75 ponto percentual nos juros na semana que vem. E começaram a surgir projeções de alta de 1 ponto percentual.

Os índices das Bolsas estão em ligeira alta, num claro ajuste após o pior dia para o mercado no ano. Ontem, todas as 30 ações do índice Dow Jones e todos os setores do S&P 500 terminaram a sessão em baixa. A Nasdaq caiu 5,6% e terminou seu pior dia desde fevereiro, puxada por ações de grandes nomes da tecnologia como Netflix (-7,8%) e Meta (-9,4%).

Veja o desempenho dos mercados futuros:

  • Dow Jones Futuro (EUA), +0,43%
  • S&P 500 Futuro (EUA), +0,52%
  • Nasdaq Futuro (EUA), +0,55%

Ásia

Na Ásia, as Bolsas receberam com mais força o impacto da queda de ontem nos Estados Unidos e na Europa, e da consequente valorização do dólar em relação a diversas moedas com a visão de uma alta mais acelerada dos juros pelo Fed para conter a inflação. A força do dólar americano pressionou o iene japonês, sensível a juros, para perto de uma baixa de 24 anos em 149,96 ienes. O banco central japonês (BoJ) realizou um teste de taxas de câmbio, o que foi lido como uma preparação para intervenção monetária.

  • Shanghai SE (China), -0,80%
  • Nikkei (Japão), -2,78%
  • Hang Seng Index (Hong Kong), -2,48%
  • Kospi (Coreia do Sul), -1,56%

Europa

As ações europeias também caíram na abertura nesta quarta, após a pior liquidação em Wall Street desde junho de 2020. O FTSE 100 tinha baixa, mesmo com os dados de inflação do Reino Unido para agosto sendo menos intensos do que o previsto, ficando abaixo de 10% em agosto na comparação anual.

  • FTSE 100 (Reino Unido), -0,69%
  • DAX (Alemanha), -0,28%
  • CAC 40 (França), -0,06%
  • FTSE MIB (Itália), +0,70%

Commodities

No mercado de commodities, os preços do petróleo operam perto da estabilidade nesta manhã, também fruto da má recepção do CPI americano ontem. Na terça-feira, a Opep comunicou estar vendo “sinais errôneos” do mercado, uma vez que o cartel se opõe às previsões de que a desaceleração do crescimento econômico e o aperto da política monetária pesarão na demanda global de petróleo em 2023.

O barril de petróleo WTI estava cotado a US$ 87,52, com alta de 0,24%, enquanto o Brent subia 0,23, a US$ 93,38. O minério de ferro futuro caiu 0,69% na Bolsa de Dalian, para US$ 104,02.

  • Petróleo WTI, +0,24, a US$ 87,52 o barril
  • Petróleo Brent, +0,23%, a US$ 93,38 o barril
  • Minério de Ferro futuro (para janeiro de 2023) negociado na Bolsa de Dalian: -0,69%, a 720,5 iuanes, equivalente a US$ 104,02 a tonelada

Bitcoin

Os preços do Bitcoin caem 8,74%, a US$ 20.387

2. Agenda

O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) referente a agosto sai nesta quarta, com o mercado ainda desconfiado sobre a resiliência da inflação dos Estados Unidos. Em julho, o indicador recuou 0,5% na comparação com junho, o que levou o dado anualizado a cair de 11,3% para 9,8%. Para o dado que será anunciado hoje, o consenso Refinitiv projeta uma deflação de 0,1% na comparação mensal, o que levaria a alta anual para 8,8%.

No Brasil, o IBGE divulga às 9h (horário de Brasília) as vendas no varejo em julho. Caso o dado surpreenda positivamente como aconteceu com a pesquisa de serviços ontem, são esperadas novas revisões para as projeções do PIB em 2022. O consenso Refinitiv aponta para avanço de 0,30% na base mensal e queda de 3,5% na anual.

Brasil

9h: Vendas no varejo de julho pelo IBGE, com projeção Refinitiv de alta mensal de 0,30% e queda anual de 3,5%

14h30: Fluxo cambial semanal

EUA

9h30: Preços ao produtor de agosto, com projeção Refinitiv de queda de 0,1% ante julho e alta de 8,8% na base anual

11h30: : Estoque de petróleo

3. Noticiário econômico

Consignado do Auxílio Brasil

Divergências sobre a fixação de um teto de juros retardam a regulamentação da operação de empréstimo consignado aos beneficiários do programa Auxílio Brasil.

O assunto tem sido tema de reuniões diárias no Ministério da Cidadania. Entre os técnicos, a avaliação é de que o consignado voltado para uma população tão vulnerável precisa de uma limitação dos juros cobrados pelos bancos. A defesa dos técnicos é de que o limite dos juros seja fixado pelo menos igual ao do INSS, de 2,14%. O ministro da Cidadania, Ronaldo Vieira Bento, defende internamente a fixação de um teto de juros.

A criação de um consignado com garantia do Auxílio Brasil é uma medida polêmica, considerada pelos especialistas da área social uma estímulo ao endividamento de pessoas que já vivem em condições de alta vulnerabilidade e insegurança alimentar.

Representantes de entidades jurídicas, de defesa do consumidor e personalidades de diversos setores chegaram a assinar uma nota “Em Defesa da Integridade Econômica da População de Vulneráveis” pedindo o adiamento do consignado.

Cortes no Orçamento para Farmácia Popular vai de remédios até fralda geriátrica

O corte de 60% de recursos no Orçamento de 2023 para a gratuidade de medicamentos da Farmácia Popular vai restringir o acesso da população a 13 tipos diferentes de princípios ativos de remédios usados no tratamento da diabetes, hipertensão e asma, segundo alerta da ProGenéricos, associação que reúne os principais laboratórios que atuam na produção e comercialização no País.

Seis desses medicamentos são para o controle da hipertensão: Atenolol, Captopril, Cloridrato de Propranolol, Hidroclorotiazida, Losartana Potássica e Maleato de Enalapril. Todos os produtos da Farmácia Popular são destinados ao tratamento de doenças mais prevalentes, que segundo o Ministério da Saúde são as que mais acometem a população. A lista do co-pagamento inclui fraldas geriátricas, medicamentos para osteoporose, rinite, Parkinson, glaucoma, dislipdemia e anticoncepção.

4. Noticiário político

Estratégia de Lula em busca de voto útil esbarra em antipetismo

A campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência da República recebeu novo ânimo com a divulgação da última pesquisa Ipec/Globo, colocando o candidato com pouco mais da metade dos votos válidos (51%), Essa possibilidade de o petista vencer a disputa presidencial no primeiro turno – e com isso evitar mais quatro semanas de disputa contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) – fez os estrategistas se movimentarem para o chamado voto útil, fenômeno que, para pesquisadores, foi observado na reta final de pleitos anteriores. Mas Lula deve enfrentar o desafio de convencer segmentos do eleitorado, como aqueles de camadas de renda média e alta, com menor adesão ao ex-presidente e nos quais o antipetismo é mais forte.

Bolsonaro tenta amenizar discurso para reduzir rejeição

Com fortes índice de rejeição por cerca de metade dos brasileiros, com variações a depender da pesquisa,, o presidente Jair Bolsonaro (PL) iniciou um movimento para atrair de volta o eleitor que repele o PT, mas também se afastou do bolsonarismo por conta do radicalismo de seus apoiadores. Mas a iniciativa de falar para fora da “bolha” esbarra muitas vezes nos próprios discursos do presidente. Ontem, Bolsonaro fez um inédito mea culpa por ter minimizado as mortes pela pandemia e chegou a prometer entregar a faixa presidencial se for derrotado. O novo figurino foi vestido pela metade: ao mesmo tempo, ele reincidiu em piadas consideradas preconceituosas e voltou a deixar dúvidas sobre seu comportamento após a votação.

5. Radar corporativo

Caixa Seguridade (CXSE3)

A Caixa Seguridade (CXSE3) anunciou uma série de transações com sua sócia francesa,a CNP Assurances. A companhia vai vender participações em diferentes negócios do qual é sócia.

A transação inclui as fatias da Caixa Seguridade na Previsul (48,25%), CNP Consórcio (48,25%), Holding Saúde (48,25%), Odonto Empresas (48,25%) e CNP Cap (24,61%). A empresa deverá receber R$ 667,18 milhões da CNP Assurances.

“O fechamento da operação está sujeito ao cumprimento de diversas condições precedentes estipuladas no Contrato usuais a este tipo de transação, incluindo as aprovações regulatórias aplicáveis e a realização da reorganização societária”, diz o fato relevante da Caixa Seguridade.

IRB (IRBR3)

O IRB (IRBR3) informou que foi processado, em procedimento arbitral, a pagar R$ 807.430,80 ao acionista Everton George dos Santos.

Santos alegou ter comprado ações de emissão da companhia entre 9 de junho de 2020 e 20 de abril de 2021, tendo sido, posteriormente, surpreendido pela divulgação, pelo próprio IRB, de informações acerca do resultado de apurações internas que teriam constatado irregularidades no pagamento de supostos bônus; novas versões de demonstrações financeiras, dos anos anteriores, constando irregularidades cometidas; e divulgação de informações consideradas inverídicas sobre a base acionária.

Petrobras (PETR3;PETR4)

Um pedido de liminar para barrar a distribuição de dividendos antecipadas da estatal foi negado pela Justiça. O pedido tinha sido feito pela Associação Nacional dos Petroleiros Acionistas Minoritários da Petrobras (Anapetro) e pelo o senador Jean Paul Prates (PT-RN). (InfoMoney com Estadão Conteúdo)

Comunità Italiana

A revista ComunitàItaliana é a mídia nascida em março de 1994 como ligação entre Itália e Brasil.

Leia também outras matérias da nossa revista.



Comentários
Array
(
    [0] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 1781
            [name] => Bolsa de valores
            [slug] => bolsa-de-valores
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 1781
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 440
            [filter] => raw
        )

    [1] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 7936
            [name] => Bolsas Mundiais
            [slug] => bolsas-mundiais
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 7936
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 433
            [filter] => raw
        )

    [2] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 9517
            [name] => Mercado Financeiro
            [slug] => mercado-financeiro
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 9517
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 278
            [filter] => raw
        )

)

ENQUETE

Após o resultado das eleições brasileiras e italianas, você acredita que os laços entre as duas nações se fortalecerão?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

NOSSO E-BOOK GRÁTIS

SIGA NAS REDES

HORA E CLIMA EM ROMA

  • 07h41
fique por dentro

Não perca
nenhuma
notícia.

Cadastra-se na nossa ferramenta e receba diretamente no seu WhatsApp as últimas notícias da comunidade.