Segundo defesa, Romeu Zema já regularizou sua situação

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), teve sua cidadania italiana cassada pelo governo da Itália após a operação contra fraudes prender sete brasileiros no país europeu no mês passado.

O político estava entre as 800 pessoas investigadas por suspeita de fraude no processo de reconhecimento da cidadania italiana.

Todos tiveram os passaportes cassados sob a acusação de pagar uma quadrilha para obter o documento. Segundo a defesa de Zema, ele ficou sem o passaporte italiano durante seis meses, mas agora sua situação já está regularizada.

“O processo do senhor Romeu e de todos os familiares da família Zema já foi regularizado perante a administração pública italiana comprovando, desta forma, as suas raízes na Itália e o seu direito ao reconhecimento de nacionalidade italiana”, disse o advogado do governador, Eduardo Chelotti, que está em Roma para tratar o caso.

No último dia 26 de março, as autoridades italianas prenderam os brasileiros sob a acusação de suborno a cartórios, servidores públicos e policiais para agilizar o processo de cidadania.

Para obter o passaporte, as pessoas precisavam pagar um valor de R$30 mil. A operação, batizada de “Super Santos”, ainda revelou que na lista de beneficiários do esquema estão juízes, promotores e até um jogador que morreu no acidente com o avião da Chapecoense, em 2016.

“Com relação ao senhor Romeu, a situação já está regular e não posso dar maiores informações por motivos de ordem contratual”, disse Chelotti à imprensa brasileira.

Esta não é a primeira vez que Zema tem problemas com sua cidadania italiana. Em fevereiro de 2018, ele teve seu documento cancelado pelos mesmos motivos.