Uma mostra dedicada aos principais estudos do pintor italiano Leonardo Da Vinci (1452-1519) relacionados às formas e estruturas botânicas será realizada na cidade de Florença, na Itália, entre os dias 13 de setembro e 15 de dezembro.   

Com curadoria de Stefano Mancuso, Fritjof Capra e Valentino Mercati, a exposição acontecerá no complexo de Santa Maria Novella.   

O evento, que é promovido pelo Palazzo Vecchio e foi idealizado e realizado pelo centro de artes Aboca, faz parte das celebrações dos 500 anos da morte do gênio renascentista.

A iniciativa propõe uma jornada através de folhas originais, plantas reais e instalações interativas e tem o objetivo de provocar uma reflexão sobre a evolução científica e a sustentabilidade ambiental.

A rota começa no claustro de Santa Maria Novella, onde estão localizados os cinco grandes poliedros regulares projetados por Da Vinci, acompanhados por uma série de plantas selecionadas entre as estudadas ou mencionadas pelo gênio. Já no caminho dentro do dormitório do complexo florentino é possível encontrar um “organismo vegetal”, no qual a linguagem multimídia oferece uma vivência interativa.

Lá, também estão expostas três folhas do Codex Atlanticus, da biblioteca Ambrosiana. A exposição termina com uma releitura do “Homem Vitruviano”, desenho icônico feito por Da Vinci que é considerado o ponto de partida para a reflexão sobre o equilíbrio entre o homem e a natureza.

“Nos últimos meses, Florença homenageou o gênio Da Vinci com várias exposições que investigaram diferentes pontos de vista. Agora, fechamos o ano leonardiano explorando um outro aspecto, [abordando] suas ideias de absoluta importância na história da botânica”, explicou o prefeito de Florença, Dario Nardella.

Para Massimo Mercati, diretor-geral da Aboca, fazer uma releitura de “Leonardo, pensador sistêmico, é um modo universal de focar a atenção nas propriedades de complexos naturais e de validar cientificamente o que para o gênio era apenas uma intuição”. Considerado uma das figuras mais icônicas da humanidade, Leonardo Da Vinci está sob os holofotes em 2019, ano em que é celebrado os 500 anos de sua morte. Seu fascínio e mistério, traduzidos em belas obras de arte, têm sido explorados em diversas exposições na Itália e no mundo. (Ansa)