O filme “O Traidor”, de Marco Bellocchio, coprodução entre Itália e Brasil, faturou sete estatuetas na edição 2019 do Nastro d’Argento, uma das principais premiações do cinema italiano, incluindo melhor filme, direção e ator protagonista, com Pierfrancesco Favino. O longa foi indicado em 11 categorias e conta a história do mafioso Tommaso Buscetta (Favino), primeiro grande delator da Cosa Nostra.

“O Traidor” também venceu como melhor roteiro, montagem, trilha sonora e ator coadjuvante, com Luigi Lo Cascio e Fabrizio Ferracane. O prêmio é promovido pelo Sindicato Nacional dos Jornalistas Cinematográficos Italianos (SNGCI), e a cerimônia aconteceu no antigo teatro grego de Taormina.

Buscetta (1928-2000) era chefe do clã Porta Nuova e fugiu para o Brasil duas vezes para escapar da guerra deflagrada pelos Corleone pelo controle da máfia na Sicília. Em sua segunda extradição, decidiu colaborar com a Justiça, convencido pela sua terceira esposa, Maria Cristina de Almeida Guimarães, interpretada no filme por Maria Fernanda Cândido.  

Em sua delação, forneceu informações inéditas sobre o funcionamento da Cosa Nostra. Ameaçado de morte, foi mandado para os Estados Unidos, onde viveria até seu falecimento, em 2000, sob proteção do FBI.