Cinema, automobilismo e ícones do design se destacam em evento aberto ao público

Até o dia 03 de novembro a Casa Fiat de Cultura (Praça da Liberdade, 10 – Belo Horizonte-MG) traz a exposição “Beleza em Movimento – ícones do design italiano” com uma exposição que traz 100 peças artísticas incluindo automóveis, esculturas, a estética do cinema e outros itens que influenciaram a cultura em todo o mundo.

Se você é fã dos grandes carros, confira o que vai encontrar na exposição que tem entrada gratuita:

Maserati Ghibli 1971

O moderno Ghibli, denominação que voltou nos anos 1990 e é produzida desde 2013
O moderno Ghibli, denominação que voltou nos anos 1990 e é produzida desde 2013

Este clássico do design de Giorgetto Giugiaro com farois escamoteáveis era a proposta de esportividade para o final dos anos 1960 (o carro chegou em 1967). O motor era um V8 4,7 litros de 310cv que alcançava com facilidade os 250Km por hora. Foram menos de 1.300 unidades fabricadas até o carro sair de linha em 1073. Esta denominação voltou a ser usada de 1992 a 1998 e novamente a partir de 2013. 

Ferrari Dino 246 GT 1974

Ferrari Dino, carro que fez sucesso comercial e ajudou a tirar a marca italiana de uma crise
Ferrari Dino, carro que fez sucesso comercial e ajudou a tirar a marca italiana de uma crise

O carro que fez a marca italiana sair de uma de suas crises está bem representado na mostra. Trata-se do sucessor da Ferrari Dino 206 GT, com tradicional motor V6 traseiro 2,4 litros de 195cv em um carro de apenas 1100kg. Foram 3,3 mil unidades fabricadas, um sucesso para uma marca que se popularizou em vários países como carro de desejo dos fãs de esportividade.

De Lorean DMC 12 1981

De Lorean DMC 12 de 1981 com motor V6 PRV de 141cv e requintes eletrônicos
De Lorean DMC 12 de 1981 com motor V6 PRV de 141cv e requintes eletrônicos

O DeLorean é como um bom carro mundial da atualidade. Foi desenhado por Giugiaro na Itália, a pedido do empresário norteamericano Zachary DeLorean, tinha motor projetado pela Peugeot, Renault e Volvo (PRV) e era fabricado na Inglaterra. Com todo o alarde provocado no seu anúncio, no final dos anos 1970, a DeLorean só fabricou o DMC 12 no início dos anos 1980. A carroceria em aço escovado, o perfil esportivo e o motor V6 PRV de 141cv e o arrojo do desenho não fizeram dele um sucesso comercial que só o cinema foi capaz de imortalizar na saga “De Volta para o Futuro”.

Ferrari Testarossa 1988

Testarossa com seu icônico design, motor superpotente e aerodinâmica exemplar para a época
Testarossa com seu icônico design, motor superpotente e aerodinâmica exemplar para a época

O estilo da Ferrari nos anos 1980 se tornou imortal com suas linhas retas e aerodinâmicas com carros que pareciam “grudados” no chão. O motor da máquina é um V12 de 390cv com potência máxima acima das 6.000 rotações.

Traseira mais larga que a dianteira, linhas retas e o tradicional motor traseiro central
Traseira mais larga que a dianteira, linhas retas e o tradicional motor traseiro central

Estreou em 1984 e foi fabricada até 1996 com as devidas atualizações em mais de 7.000 unidades, outro sucesso para um carro que custava em 1995, pouco antes de sair de linha, US$ 220 mil. 

Alfa Romeo Montreal 1971

Alfa Romeo Montreal, que era um projeto ousado para casa italiana acostumada a motores menores
Alfa Romeo Montreal, que era um projeto ousado para casa italiana acostumada a motores menores

Com estilo de carro-conceito, o Montreal surgiu em 1967, fruto do projeto de Marcelo Gandini, então um jovem desenhista da casa Bertone. O carro era um coupé com grade que ocultava os farois e a carroceria com recorte para entradas de ar inspiradas nas guelras dos peixes.

Os esboços de Gandini mostravam o futurismo de suas linhas muito próximas às do Montreal
Os esboços de Gandini mostravam o futurismo de suas linhas muito próximas às do Montreal

Começou a ser produzido só em 1970 e tinha motor V8 2,6 litros de 147cv, que apesar da baixa potência, fazia o carro de 1.270kg acelerar a até 220Km por hora. 

Alfa Romeo Giulia Spider 

Alfa Giulia Spider - um esportivo leve com motor 1.6 litro de 112cv e carroceria conversível
Alfa Giulia Spider – um esportivo leve com motor 1.6 litro de 112cv e carroceria conversível

Inspirador no desenho e no estilo à frente de seu tempo, o Giulia chegou em 1965 após um projeto arrojado do estúdio Pininfarina. Com linhas sedutoras e simples, dava destaque ao cuore italiano, símbolo da Alfa Romeo. Tinha motor 1300cc de 65 cv (conhecida na Itália como Junior) e as versões de 1600cc e 110cv com carburadores de corpo duplo, freios a disco e câmbio de cinco marchas. Era concorrente do Fiat 124 Spider e do Karmann Ghia entre outros esportivos pequenos.

Lamborghini Miura

Miura, o carro aerodinâmico que se tornou referência nos anos 1960
Miura, o carro aerodinâmico que se tornou referência nos anos 1960

O supercarro italiano foi produzido entre 1967 e 1973. A proposta era oferecer um veículo de aerodinâmica refinada típica dos carros de corrida. O motor era um V12 3,9 litros posicionado a 90 graus que desenvolvia 350cv, fazendo o Miura voar baixo com seus 1.125Kg a até 280Km por hora. Foram pouco mais de 700 unidades fabricadas ao longo de seis anos para um público muito específico que podia pagar pelo carro mais veloz de sua época. O design do Miura influenciou muitos carros que foram desenhados e construídos no final dos anos 1960 como o próprio Puma GT brasileiro.

Lamborghini Touring 400GT

Lamborghini Touring 400GT tinha 320cv e estilo rebuscado para os anos 1960
Lamborghini Touring 400GT tinha 320cv e estilo rebuscado para os anos 1960

Este clássico raríssimo no mundo dos colecionadores chega a valer US$ 2,5 milhões. Foram apenas 247 unidades fabricadas de 1966 a 1968 deste modelo tão especial com motor V12 4,0 litros de 320cv. Nesta época a Lamborghini ainda fazia suas carrocerias com a Carrozzeria Touring que se encarregou de lhe dar esse desenho fluído, considerado rebuscado à época. 

Alfa Romeo Giulia Sprint Speciale

A beleza do Giulia Sprint Speciale dos anos 1960 que tinha motor 1600cc e tração traseira
A beleza do Giulia Sprint Speciale dos anos 1960 que tinha motor 1600cc e tração traseira

Outra obra prima do estúdio Bertone, foi um carro construído para vencer as corridas do circuito de Monza nos anos 1950. Chegou ao mercado em 1959 com motor de câmaras hemisféricas e 1300cc alimentado por carburador Weber que levava o rendimento para 100cv. Também tinha versão 1600cc de 112cv com carburação dupla Weber 40 como o carro da foto. Além desta versão coupé a mesma fórmula das pistas foi aplicada na Sprint Zagato que teve só 1.200 unidades fabricadas.

A linha Giulia tinha inúmeras versões e apelo de esportivo acessível
A linha Giulia tinha inúmeras versões e apelo de esportivo acessível

A exposição conta com peças que incluem obras de arte, automóveis, miniaturas, objetos, miniaturas, mobiliario e instalações multimídia como a exposição de filmes clássicos italianos e uma sala com o som dos automóveis expostos no evento. Com curadoria de Peter Fassbender, Head do Design Center LATAM da Fiat Chrysler Automobiles, e colaboração da arquiteta e historiadora italiana Maddalena D’Alfonso, a exposição tem entrada franca.

(com informações da agência R7)