Início » Ex-promotor da Operação ‘Mãos Limpas’, Piercamillo Davigo é condenado por violação de segredo

Ex-promotor da Operação ‘Mãos Limpas’, Piercamillo Davigo é condenado por violação de segredo

08 de março de 2024 - Por Comunità Italiana
Ex-promotor da Operação ‘Mãos Limpas’, Piercamillo Davigo é condenado por violação de segredo

O ex-promotor Piercamillo Davigo, da Operação “Mãos Limpas”, que revelou um grande esquema de corrupção nos partidos da Itália na década de 1990, foi condenado na quinta-feira (7) a um ano e três meses pela Corte de Apelação de Brescia. A pena, contudo, será suspensa, e Davigo não ficará preso.

Davigo, agora aposentado, foi acusado de violação de segredos de ofício. A decisão confirmou a sentença da primeira instância.

Davigo foi acusado de receber do procurador de Milão, Paolo Storari, um arquivo em Word não assinado com o depoimento secreto do advogado Piero Amara, conhecido por fazer a defesa de acusados em grandes processos no país, como Ilva e o Eni-Nigéria.

Entre dezembro de 2019 e janeiro de 2020, Amara denunciou à Procuradoria de Brescia uma suposta organização dentro do sistema judicial, identificada como “Grupo Hungria”.

Esse grupo, que incluía juízes, advogados, políticos e empresários, existiria há cerca de 30 anos e fazia nomeações em cargos importantes.

Na época em que recebeu o documento, Davigo era membro do Conselho Superior de Magistratura (CSM) e teria recebido o material para dar uma “opinião” para Sartori.

No entanto, o relatório nunca foi repassado para o CSM de maneira formal e nem para nenhum líder do órgão ou da comissão Antimáfia.

A investigação contra Davigo foi aberta em julho de 2021 porque os depoimentos coletados dos investigados são contraditórios sobre a forma como os dados foram vazados.

“Não há surpresa. Afinal, o réu também confessou ter cometido os crimes pelos quais hoje a condenação foi confirmada?, comentou a advogado Fabio Repici, representante legal do ex-conselheiro do CSM e parte civil Sebastiano Ardita.

Segundo o advogado, com o julgamento de segundo grau “foi também confirmado que Davigo agiu para desacreditar Ardita em um momento delicado da vida dele e em um momento em que Ardita no CSM era um obstáculo a ser superado”.

Davigo, por outro lado, sempre afirmou ter agido “de boa fé, sem qualquer objetivo além de restaurar a legalidade”. (com dados de agências internacionais)

Comunità Italiana

A revista ComunitàItaliana é a mídia nascida em março de 1994 como ligação entre Itália e Brasil.

Leia também outras matérias da nossa revista.



Comentários

ENQUETE

Loading poll ...

NOSSO E-BOOK GRÁTIS

SIGA NAS REDES

HORA E CLIMA EM ROMA

  • Sun Cloud
  • 04h51
fique por dentro

Não perca
nenhuma
notícia.

Cadastra-se na nossa ferramenta e receba diretamente no seu WhatsApp as últimas notícias da comunidade.