A empresa ítalo-argentina Techint é um dos alvos da 67ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada na manhã desta quarta-feira (23) pela Polícia Federal e que apura crimes de corrupção e lavagem de dinheiro  

A PF cumpre 23 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná, e a Justiça Federal bloqueou R$ 1,7 bilhão dos investigados. A suspeita é de que a Techint tenha pagado R$ 60 milhões em propinas para dirigentes da Petrobras.   

Entre os investigados estão ex-funcionários da estatal, intermediários do grupo ítalo-argentino e representantes de duas consultorias. A agência de notícias italiana entrou em contato com a Techint e aguarda um posicionamento.   

A nova fase da Lava Jato foi batizada como “Tango & Cash”, nome que, de acordo com a PF, “remete aos valores de pagamento das propinas e ao fato de que a empresa envolvida na investigação pertence a um grupo ítalo-argentino”.   

“A fim de dar aparência de licitude ao pagamento de propinas, o grupo empresarial investigado repassava valores via empresas offshore a ex-diretores e ex-gerentes da Petrobras, mediante a celebração de contratos fraudulentos de assessoria/consultoria”, afirma a Polícia Federal.   

A Techint também é acusada de integrar o cartel envolvido em esquemas de corrupção na Petrobras. A empresa foi fundada em Milão, em 1945, e atua nos setores de siderurgia, mineração, engenharia e construção. Sua trajetória sempre foi intimamente ligada à América Latina, especialmente à Argentina, onde a companhia também tem sede. (Ansa)