BIANUAL

BIANUAL

A partir de
Por R$ 299,00

ASSINAR
ANUAL

ANUAL

A partir de
Por R$ 178,00

ASSINAR
ANUAL ONLINE

ANUAL ONLINE

A partir de
Por R$ 99,00

ASSINAR


Mosaico Italiano é o melhor caderno de literatura italiana, realizado com a participação dos maiores nomes da linguística italiana e a colaboração de universidades brasileiras e italianas.


DOWNLOAD MOSAICO

Baixe nosso aplicativo nas lojas oficiais:

Início » Escolha de Draghi como novo premiê da Itália divide base aliada

Escolha de Draghi como novo premiê da Itália divide base aliada

04 de fevereiro de 2021 - Por Comunità Italiana
Escolha de Draghi como novo premiê da Itália divide base aliada

Um grupo de representantes dos partidos que compõem a base aliada do governo italiano se reuniu na quarta-feira (3) para debater um possível apoio ao ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE) Mario Draghi, encarregado de formar um novo Executivo. Participaram da cúpula membros do Partido Democrático (PD) – que apoia a escolha do executivo -, da coalizão progressista Livres e Iguais (LeU) e do Movimento 5 Estrelas (M5S), dono da maior bancada parlamentar e que defende um governo político e não técnico presidido por Draghi.

Durante a reunião, o PD deixou claro que acredita que o ex-mandatário do BCE pode tirar a Itália da incerteza determinada pela crise governamental. Segundo o líder da legenda de centro-esquerda, Nicola Zingaretti, “Draghi é uma personalidade de grande prestígio, uma força e um recurso apreciado no mundo”.

No entanto, o M5S está cada vez mais dividido sobre apoiar ou não o executivo, o que fez o líder do M5S, Vito Crimi, admitir que a “votação na plataforma Rousseau é uma hipótese a não ser esquecida”, para chegar a uma maioria no partido.

Crimi ainda ressaltou que não gosta da ideia de a Itália ser liderada por um governo tecnocrata, que seria “frio e calculista” e “não é bom para o país”. Mas ainda assim pode apoiar o possível governo.

Para o chanceler italiano, Luigi Di Maio, do M5S, porém, “as regras da democracia são muito claras” e “a vontade popular é representada pelas forças presentes no Parlamento cujo mandato, recebido pelos eleitores, não era o de um governo técnico”.

Di Maio se opõe a Draghi porque a proposta era ter um governo político no país para atender as necessidades dos italianos e não um técnico. “Em 2018, o Movimento 5 Estrelas obteve 33% dos votos, no Parlamento somos a maior força política e, como já mostrámos, somos decisivos. Agora temos de nos mostrar compactos, precisamos de unidade . Ninguém tenta nos dividir”, escreveu no Facebook.

O ex-deputado Alessandro Di Battista, um dos principais expoentes do M5S, defende que o partido não ceda às pressões.

Já o ex-ministro do Desenvolvimento Econômico, Stefano Patuanelli, também é favorável a um governo político. “Somos uma República parlamentarista, devemos continuar fazendo política para o bem do país e para isso precisamos de um governo político”.

O ex-ministro do Interior da Itália e secretário da Liga, Matteo Salvini, disse na quarta-feira que a centro-direita não tem preconceitos contra Mario Draghi como possível primeiro-ministro, mas reafirmou que as eleições são a melhor saída para a crise no governo. 

“Podemos votar na primavera, as prioridades são o corte de impostos, a burocracia, o plano de vacinas e a reforma da justiça. Se Draghi quiser nos ouvir, estamos prontos”, afirmou. 

Salvini ainda acrescentou que seu “objetivo” era manter o centro bem unido e ressaltou que a Itália precisa de um governo político. Ele não informou qual decisão tomará durante as consultas previstas para esta quinta-feira (4).  

Apesar de opiniões contrárias, durante o encontro foi levantada a hipótese de uma proposta comum, porque os partidos não querem “desperdiçar o patrimônio comum construído com grande empenho, no último um ano e meio”.

Consultas

Em seu primeiro-dia como o encarregado para formar um governo na Itália, Draghi participou de três reuniões importantes. As duas primeiras, como de costume, com o presidente da Câmara, Roberto Fico, e com a presidente do Senado, Elisabetta Casellati. A terceira foi com o premiê demissionário Giuseppe Conte.

A expectativa é de que a partir desta quinta-feira (4) o ex-presidente do BCE inicie as consultas com as forças políticas italianas. Será nestas reuniões que Draghi vai verificar se há uma maioria que pode apoiar o seu governo.

Se o M5S permanecer irredutível, toda a atenção será voltada para os próximos dois maiores partidos – o Partido Democrático e a Liga, de extrema direita – que são inimigos políticos declarados, mas podem ter que votar juntos para dar a Draghi a maioria. (com dados da Ansa)

Comunità Italiana

A revista ComunitàItaliana é a mídia nascida em março de 1994 como ligação entre Itália e Brasil.

Leia também outras matérias da nossa revista.



Comentários
Array
(
    [0] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 3482
            [name] => Governo da Itália
            [slug] => governo-da-italia
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 3482
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 124
            [filter] => raw
        )

    [1] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 4579
            [name] => Mario Draghi
            [slug] => mario-draghi
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 4579
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 233
            [filter] => raw
        )

)

ENQUETE

Após o resultado das eleições brasileiras e italianas, você acredita que os laços entre as duas nações se fortalecerão?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

NOSSO E-BOOK GRÁTIS

SIGA NAS REDES

HORA E CLIMA EM ROMA

  • 15h44
fique por dentro

Não perca
nenhuma
notícia.

Cadastra-se na nossa ferramenta e receba diretamente no seu WhatsApp as últimas notícias da comunidade.