Partido de Luigi Di Maio, M5S, sofre queda e fica atrás do Partido Democrático (PD) nas eleições parlamentares europeias, após ter sido o mais votado nas últimas eleições gerais

Enquanto o partido de extrema-direita Liga de Matteo Salvini foi o mais votado na Itália, com mais de um terço dos votos (34,3%), o Movimento 5 Estrelas (M5S) conquistou apenas 17,1% dos votos.

“É um êxito incrível para a Liga na Itália. Há cinco anos os média falavam de uma Liga em extinção, agora somos o partido mais votado do país”, disse Salvini na noite de domingo, quando foram divulgadas as primeiras sondagens que lhe davam a vitória.

Após a contagem dos votos, que se prolongou durante a noite de domingo, confirma-se o avanço do Partido Democrata (PD, centro-esquerda), que ficou em segundo lugar com 22,7% dos votos, ultrapassando o antissistema M5S.

“Agradeço aos 4,5 milhões que votaram pelo M5S e agradeço também àqueles que não votaram porque seu comportamento nos ensina uma boa lição. Felicito a Liga e o Partido Democrata e todos os partidos que tiveram um aumento”, declarou o vice-primeiro-ministro Luigi Di Maio em coletiva de imprensa no começo da tarde desta segunda-feira (27).

O partido de direita Força Itália, do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi, ficou com 8,8% dos votos, enquanto o pós-fascista Irmãos de Itália alcançou 6,5%, o que lhe permite entrar pela primeira vez no Parlamento Europeu.

O vice-primeiro-ministro afirmou também que a coligação de governo se mantém, apesar das fortes perdas do Movimento 5 Estrelas.

“Os meus aliados no governo são meus amigos”, disse à imprensa Salvini, líder da Liga (extrema-direita), apelando ao parceiro de coligação que “volte ao trabalho com serenidade”.