O volante De Rossi não completará seus 36 anos como jogador da Roma

Nesta terça-feira (14), em entrevista coletiva, a direção do clube italiano anunciou que o comunicou na segunda de que não pretendia renovar seu contrato e lhe ofereceu um cargo como dirigente. Mas o campeão mundial pela Azzurra em 2006 pretende jogar por mais uma ou duas temporadas depois de 18 seguidas somente na equipe giallorossa. Só não sabe ainda onde.

– Se ninguém te chama para negociar por um ano, a direção é essa. Sempre falei pouco, porque não gosto e não havia nada a dizer, além de não querer distrair o time. Agradeço a oferta. Eu sei que há carinho e estima mútua. Talvez pudesse continuar por um ou dois anos, mas é uma decisão geral. Eu não posso fazer diferente disso. Futuro? Ouvi uma coisa ou outra, não perguntei nada a ninguém, não queria me distrair na disputa pela vaga na Champions. Então eu vou verificar entre as 500 mensagens que recebi se houve proposta.

A história

De Rossi chegou à Roma com 14 anos levado pelo pai, técnico das divisões de base do clube. Era atacante do Ostia Mare Lido, time da Série D da região de Lazio, onde fica a capital italiana. Virou volante. E dos mais viris. Tanto que tatuou na panturrilha um desenho em que um símbolo inusitado: um boneco dando carrinho no outro. Mesmo assim, questionado se mudaria alguma coisa na sua trajetória na equipe giallorossa, disse que um de seus arrependimentos é de algumas expulsões.


Tatuagem na panturrilha de De Rossi com carrinho que atinge tornozelo — Foto: Reuters

– Faria escolhas diferentes no cotidiano, episódios desagradáveis, como cartões vermelhos. Não voltaria atrás na opção de dedicar toda a minha carreira à Roma. Se tivesse uma varinha mágica, colocaria alguma taça na prateleira. Estou tranquilo pela escolha.

De Rossi estreou no time profissional da Roma em outubro de 2001, então campeã italiana pela terceira vez. Se entrar em campo nas últimas duas rodadas da Série A, contra Sassuolo, fora de casa, e Parma, no estádio Olímpico, vai completar 617 partidas pelo clube. Só Totti tem mais: 786 até a aposentadoria há duas temporadas. Nessa trajetória, tem três títulos: o bi da Copa Itália, em 2007/08, e uma Supercopa Italiana, em 2008.