Obra de Giorgio Vasari está fechada desde agosto de 2016

O Corredor Vasariano, em Florença, passará por uma reforma de 10 milhões de euros e será reaberto em 2021, após estar fechado ao público desde agosto de 2016 por razões de segurança.

A atração liga as Gallerie degli Uffizi, principal museu renascentista do mundo, ao Palazzo Pitti, do outro lado do rio Arno, através de um corredor que também passa pela Ponte Vecchio.

O projeto para reformar o Corredor Vasariano foi apresentado pelo diretor dos Uffizi, Eike Schmidt, nesta segunda-feira (18). A expectativa é de que as obras iniciem ainda neste ano e tenham duração de 18 meses.

A atração, projetada no século 16, era acessível apenas a visitas em grupo e agendadas por operadores turísticos. No entanto, o projeto de Schmidt é abri-la ao público por meio de ingressos individuais.
   
O Corredor Vasariano trocará seus 700 retratos e autorretratos por esculturas antigas e inscrições gregas e romanas e terá acessibilidade para deficientes físicos, cinco saídas de segurança, climatização, iluminação de baixo consumo energético e um sistema de vigilância eletrônica.

O objetivo de Schmidt é atrair cerca de 500 mil visitantes por ano, com ingressos de que devem custar de 20 a 45 euros (de R$ 84 a R$ 189, segundo a cotação atual), dependendo da temporada.

O Corredor Vasariano ainda terá memoriais em homenagem às vítimas de um bombardeio nazista em 1944 e do atentado da Via dei Georgofili, em 1993, quando a Cosa Nostra matou cinco pessoas perto das Gallerie degli Uffizi.

“O Corredor Vasariano é o percurso mais belo do mundo, que liga o Palazzo Vecchio ao Palazzo Pitti, dois palácios que os Médici escolheram para serem suas residências e que hoje constituem um símbolo da arte e da arquitetura do Renascimento”, disse o prefeito de Florença, Dario Nardella.

O corredor foi fechado após o Corpo de Bombeiros ter encontrado falhas na segurança do local, como a existência de apenas duas saídas de emergência em seus 800 metros de comprimento.