Obra conquistou os jurados ao evitar a fórmula de blockbusters de super-heróis

O drama sombrio “Coringa”, do diretor Todd Phillips, sobre as origens do vilão, conquistou no sábado (7) o Leão de Ouro, principal prêmio do Festival de Cinema de Veneza.

Joaquin Phoenix, que recebeu elogios de críticos no festival, interpreta o inimigo de Batman em sua transformação de um solitário vulnerável a um vilão confiante.

O Grande Prêmio do Júri foi concedido a “J’Accuse”, do cineasta franco-polonês Roman Polanski, um thriller político cuja seleção para a competição gerou polêmica.

O ator italiano Luca Marinelli venceu o prêmio de Melhor Ator por sua interpretação de um pobre aspirante a escritor em “Martin Eden”, enquanto a francesa Ariane Ascaride venceu o prêmio na categoria feminina. Ascaride foi premiada por seu papel em “Gloria Mundi”, drama ambientado em Marselha, em que interpreta uma mãe desesperada para ajudar sua família, que passa por problemas financeiros.

Resultado de imagem para 'Coringa' conquista Leão de Ouro no Festival de Cinema de Veneza

Vilão de sucesso

No ano que Batman comemora 80 anos, é seu vilão que está na mira dos holofotes. O filme “Coringa”, estrelado por Joaquin Phoenix, só tem estreia prevista para outubro, mas sua exibição já arrancou elogios durante a 76ª edição do Festival de Cinema de Veneza.

O longa do diretor e produtor Todd Phillips foi aplaudido durante oito minutos consecutivos após sua apresentação no festival italiano. O filme traz a história do desajustado Arthur Fleck, que se transforma no vilão após ser humilhado a vida inteira. Fleck trabalha como palhaço durante o dia, e aprendiz de comediante à noite, sem sucesso.

“Coringa” ainda tem no elenco Zazie Beetz, Frances Conroy, Marc Maron, Bill Camp, Glenn Fleshler, Shea Whigham, Brett Cullen, Douglas Hodge e Josh Pais.

Participação brasileira

Uma produção brasileira também foi premiada durante o Festival Internacional de Cinema de Veneza. Dirigido por Bárbara Paz, o filme “Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou” conquistou o Prêmio da Crítica Independente no festival.

No longa em preto e branco, Bárbara documenta a vida e morte de Hector Babenco, cineasta argentino naturalizado no Brasil, que morreu em 2016 após parada cardíaca.

Bárbara Paz também protestou em Veneza durante a exibição do longa “Martin Eden”. A atriz carregava um cartaz contra as queimadas e o desmatamento na região amazônica.

Vencedores do 76º Festival de Cinema de Veneza

– Leão de Ouro de melhor filme:

“Coringa”, do americano Todd Phillips

– Grande Prêmio do Júri:

O cineasta franco-polonês Roman Polanski, por “J’accuse”

– Leão de Prata de melhor direção:

O sueco Roy Andersson, por “About Endlessness”

– Prêmio Especial do Júri

“La mafia non è più quella di una volta”, do italiano Franco Maresco

– Copa Volpi de melhor ator:

O italiano Luca marinelli, por “Martin Eden”

– Copa Volpi de melhor atriz:

A francesa Ariane Ascaride, por “Gloria Mundi”

– Prêmio de melhor roteiro:

“No. 7 Cherry Lane”, de Yonfan, de Hong Kong

– Prêmio Marcello Mastroianni de melhor ator ou atriz:

O australiano Toby Wallace, por “Babyteeth”

– Leão de Ouro pelo conjunto da obra para o diretor espanhol Pedro Almodóvar e a atriz britânica Julie Andrews