O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, encarregado de formar um novo governo no país, impôs no domingo (1) uma data-limite para as negociações entre o Movimento 5 Estrelas (M5S) e o Partido Democrático (PD) serem concluídas

“Na terça-feira, no máximo na quarta-feira, temos que fechar [o governo]”, afirmou Conte, ressaltando seu otimismo, durante transmissão ao vivo. O premier italiano ainda explicou que está trabalhando em um “programa compartilhado nos princípios de ambas as forças políticas”, onde será difícil distinguir uma medida ou um objetivo próximo a uma ou outra” legenda.

Segundo Conte, as negociações entre o partido de Luigi Di Maio (M5S) e de Nicola Zingaretti (PD) “estão indo bem”, principalmente porque existe “um bom ambiente de trabalho” e ambos “estão preparados para um projeto comum dedicado ao país”.   

“Há muita consonância nos diferentes pontos pragmáticos”, acrescentou. Nos últimos dias, o possível acordo havia sido colocado em xeque depois que Di Maio apresentou 20 exigências para formalizar a aliança ou defenderia a convocação de novas eleições.

Além disso, de acordo com fontes parlamentares, um dos principais entraves é a indicação dos novos ministros que vão compor o gabinete. O líder do M5S defende sua nomeação como vice-primeiro-ministro, enquanto que Zingaretti quer escolher o representante para o cargo.   

No entanto, na tentativa de destravar as negociações, o secretário do PD afirmou hoje que está disposto a abrir mão do cargo de vice-primeiro-ministro. “Outra contribuição do PD para desbloquear a situação e ajudar o governo a decolar”, afirmou.

Conte, por sua vez, ressaltou que o “tema não é uma prioridade” e sim “o programa e as linhas estratégicas. Além disso, ele afirmou que não tem intenção de ter um governo apenas como políticos em papéis de protagonismo. “Depois convidarei as forças políticas que apoiam o governo a me dar sugestões. Não há indicações fechadas, mas sim abertas, para que eu escolha a melhor equipe, com as melhores características”, acrescentou.

Apesar do otimismo do premier da Itália, alguns itens na negociação entre PD e M5S ainda precisam ser destravados. Entre eles, há a decisão do partido de Di Maio de submeter o projeto de governo a uma votação na plataforma Rousseau, para obter aprovação ou não dos membros do M5S.   

A consulta online poderá ameaçar o prazo limite imposto hoje por Conte, que pediu para as legendas apresentarem o programa do governo e uma lista com os nomes de ministros até a próxima quarta-feira (4).   

Os documentos serão disponibilizados ao presidente da Itália, Sergio Mattarella, que precisará aprovar a nova administração do país. Em caso positivo, a proposta passará ainda por uma votação no Legislativo. A expectativa é de que seja já na próxima sexta-feira (6).

Enquanto a coalizão está quase concluída, o ministro do Interior e vice-premier da Itália, Matteo Salvini, ainda insiste na convocação de novas eleições. Em sua conta no Twitter, o líder do partido de extrema-direita Liga Norte disse que “não poderão fugir do voto infinitamente”. “Nós trabalhamos e nos preparamos para ganhar”, escreveu.

A crise política no país europeu foi provocada pelo próprio Salvini, que rompeu com o M5S no início de agosto, com a expectativa que a Itália antecipasse eleições e que ele pudesse se tornar premier, principalmente por sua popularidade em alta. No entanto, em uma manobra ousada, o opositor PD ofereceu ao M5S uma abertura de diálogo para formar uma nova coalizão, excluindo o expoente da Liga.

(com informações da ANSA)