O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, defendeu na quarta-feira (30) a estabilidade do Governo diante do início do debate no Senado sobre a imunidade do vice-presidente e líder da ultradireitista Liga, Matteo Salvini, investigado pela Justiça

“Não tenho nenhuma preocupação”, respondeu diante das perguntas da imprensa em Milão (norte) sobre a estabilidade do Governo o primeiro-ministro, apoiado pelo Movimento Cinco Estrelas (M5S) e pela ultradireitista Liga de Matteo Salvini.

Na quarta-feira, o Senado começou a debater se permite o julgamento de Salvini, investigado por “sequestro de pessoas” após bloquear durante cinco dias o desembarque na Sicília, em agosto passado, de cem migrantes salvos pela embarcação militar Diciotti.

A Junta para as Eleições e a Imunidade da Câmara Alta contará com um prazo de até 60 dias para votar se suspende ou não a proteção ao ministro e líder ultradireitista.

Salvini em um primeiro momento se mostrou partidário de encarar o julgamento, mas ontem publicou uma carta na qual mudava de ideia e pedia ao Senado que não permitisse seu jugalmento,

O caso dirigiu a atenção à estabilidade do Executivo bipartido já que o M5S chegou a antecipar que votaria a favor que da permissão do julgamento, pois sua batalha sempre foi a da correção política e da transparência.

No entanto, com a mudança de postura de Salvini, o líder das Cinco Estrelas e outro vice-presidente Luigi Di Maio manteve um encontro de duas horas ontem à noite com seus senadores para acordar o sentido da votação neste polêmico caso.

Di Maio e outros expoentes dos Cinco Estrelas apostaram por defender Salvini alegando que a política foi do Governo no seu conjunto.

Nestes sessenta dias de debate Salvini será chamado à Junta do Senado para comparecer e explicar as suas ações e a sua ferrenha política de fechamento de portos aos imigrantes.