Uma das passageiras do Boeing 737-201 que caiu perto do Aeroporto Internacional José Martí, em Havana, capital de Cuba, era naturalizada italiana

A informação é de fontes do Ministério das Relações Exteriores da Itália, cuja unidade de crise está em contato com a família para fornecer assistência. No entanto, seu nome não foi divulgado.

A aeronave, pertencente à empresa mexicana Damojh, mais conhecida como Global Air, era operada pela estatal Cubana de Aviación e levava mais de 100 pessoas a bordo, entre passageiros e a tripulação – esta última era formada por seis cidadãos do México.

Quatro indivíduos conseguiram sobreviver à queda, sendo um homem, que faleceu pouco depois, e três mulheres. A TV estatal cubana chegou a dizer que uma delas também havia morrido, mas corrigiu a informação pouco depois.

Segundo a imprensa oficial do país, as três mulheres continuam em estado grave, mas estável. “As três mulheres continuam em situação grave e com perigo para a vida. Contudo, dentro dessa gravidade, permanecem estáveis e seguem sendo atendidas por uma equipe médica multidisciplinar”, disse o diretor do Hospital General Calixto García, Alberto Martínez Blanco, ao jornal “Granma”.

O governo de Cuba decretou luto oficial neste sábado (19). (Agência ANSA)