A poetisa portuguesa Eugénia de Vasconcellos, comenta, em carta enviada ao autor, sobre o livro Mal de Amor Querido Marco, Não há isso de escrever melhor, o limbo chega em dias de limbo, e eu agradeço-lho como à claridade nas manhãs claras.  Estive a reler, ontem à noite, o seu Mal de

Este conteúdo é restrito a membros assinantes do site. Se você é um usuário cadastrado, por favor faça login.

Quer fazer sua assinatura Comunità Italiana e ter acesso a todo conteúdo do site?

Então clique aqui e faça seu registro.

Login de Usuários