A Câmara dos Deputados da Itália aprovou por ampla maioria um projeto de lei para incentivar a leitura no país e que institui a “capital do livro”, título rotativo que dará 500 mil euros para as cidades eleitas   

O texto recebeu 406 votos a favor e nenhum contra e agora segue para o Senado. Se for aprovado sem modificações, dependerá apenas da sanção do presidente Sergio Mattarella para se tornar lei.   

“Nosso país nunca teve uma lei assim, e agora conseguimos”, disse a deputada Flavia Piccoli Nardelli, do centro-esquerdista Partido Democrático (PD) e que tenta emplacar o projeto há quatro anos.   

A principal novidade é a criação da “capital italiana do livro”, aos moldes da “capital da cultura”, que a cada ano destaca uma cidade do país. O município escolhido receberá um prêmio de 500 mil euros para projetos de incentivo à leitura e à produção literária.   

Além disso, a iniciativa institui um “selo de qualidade” para livrarias e prevê recursos para as escolas formarem bibliotecários. Por outro lado, o texto reduz de 15% para 5% o limite de desconto que pode ser aplicado ao preço de um livro.   

A medida era uma reivindicação de editoras independentes, que não conseguem competir com os preços das grandes empresas do setor. 

(com informações da ANSA)