O Tribunal de Contas de Veneza condenou o arquiteto espanhol Santiago Calatrava a pagar uma indenização de cerca de 78 mil euros ao erário público por cometer erros que aumentaram o valor da construção da ponte da Constituição

Inaugurada em 2008 na cidade italiana, a ponte de quase 100 metros de comprimento, construída em aço e vidro, gerou controvérsias desde que o projeto foi apresentado, tanto por sua forma quanto pelo custo, que passou de 7 milhões de euros a 11,6 milhões de euros. Segundo a decisão do tribunal, datada de 6 de agosto, Calatrava cometeu uma “macroscópica negligência” responsável por encarecer a obra, principalmente porque desde que foi aberta precisou ser modificada em diversas ocasiões.   

As autoridades chegaram a identificar que os tubos utilizados na obra tinham o tamanho errado, os degraus se desgastavam rapidamente e faltava acessibilidade às pessoas em cadeiras de rodas. Críticas também foram ouvidas pelos vários escorregões e quedas dos venezianos e turistas que cruzaram a ponte. Além de Calatrava, o engenheiro Salvatore Vento também foi condenado a pagar quase 11 mil euros. Ambos ainda terão que se responsabilizar pelos custos do processo.

A “Ponte Calatrava” liga a Piazzale Roma à estação ferroviária de Santa Lúcia. Ela é a quarta ponte que atravessa o Grande Canal e a primeira que foi construída nos últimos 125 anos.   

Ao longo de sua carreira, o arquiteto de Valência recebeu diversos prêmios internacionais . Entre seus projetos mais famosos estão a torre Turning Torso, em Malmo, na Suécia, e o Centro de Transporte do World Trade Center, em Nova York. 

(com informações da ANSA)