Por 64 votos favoráveis e um contrário, o Plenário aprovou nterça-feira (04) a indicação do diplomata Hélio Vitor Ramos Filho para exercer o cargo de embaixador do Brasil na Itália e, cumulativamente, nas repúblicas de San Marino e MaltaA aprovação da matéria, que teve como relator o senador Jarbas Vasconcelos (MDB-PE), será comunicada à Presidência da República

Entre as funções desempenhadas no exterior por Hélio Vitor Ramos Filho estão a de primeiro-secretário e conselheiro na embaixada brasileira em Washington (EUA), de 1995 a 1999; ministro-conselheiro na embaixada em Lisboa (Portugal) e representante junto à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), de 2004 a 2006; e cônsul-geral em Miami (EUA), entre 2011 e 2016.

No Brasil, foi chefe de gabinete no Ministério de Minas de Energia, secretário-executivo e ministro interino, entre 1999 e 2001; chefe da Assessoria de Relações Federativas, de 2001 a 2004; diretor do Departamento de Comunicações e Documentação, entre 2006 e 2011; e assessor especial do Presidente da Câmara dos Deputados desde 2016.

No último dia 22, em sabatina na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), Hélio Vítor Ramos Filho disse que um dos focos prioritários de sua agenda em Roma se dará na recuperação das exportações brasileiras para a Itália. No ano passado, este montante atingiu U$ 3,5 bilhões, mas já foi de U$ 4,6 bilhões, em 2012. Desde 2008, a relação bilateral é deficitária para o Brasil. Isto se dá, em parte, porque as importações brasileiras possuem uma participação expressiva de maquinários e outros itens industriais, enquanto as exportações são focadas só em produtos primários, explicou o diplomata.

(Com informações da Agência Senado)