Nesta terça feira (4), diversas faixas de protestos apareceram em Nápoles, no sul da Itália, contra o projeto para conceder cidadania honorária a Maradona, maior ídolo do Napoli, uma ideia do prefeito, Luigi de Magistris.

Os cartazes com assinatura “Curva A”, uma das organizadoras do clube napolitano, diziam que a homenagem ao argentino, que acontecerá hoje (5) às 21h30, é uma jogada do “prefeito à caça de dinheiro e publicidade”.

A imprensa ainda divulgou que Maradona irá receber 200 mil euros com a cidadania, dinheiro que viria dos patrocinadores, sobre isso o ex-craque desmentiu. “Juro pela minha mãe que ninguém nunca me falou de dinheiro. Quando me disseram da cidadania, eu respondi ‘sim’ na mesma hora. Gostaria de encontrar e cuspir em quem disse que vou receber 200 mil euros”, afirmou Maradona em uma coletiva de imprensa nesta terça.

A homenagem será realizada na praça do Plebiscito, contará com shows de italianos e deve reuniu uma multidão de torcedores. O argentino, atualmente técnico do clube árabe Al Fujairah, ainda afirmou que “Eu não vou aos lugares para pedir dinheiro. Ganhava jogando futebol e agora ganho o que me pagam em Dubai, onde trabalho. Quem diz essas coisas é doente da cabeça”.

Maradona foi o capitão do Napoli em seus dois únicos títulos no Campeonato Italiano, em 1987/88 e 1989/90, sendo considerado o mair ídolo do time.