Ouro foi conquistado por atletas de origem africana

A vitória de quatro atletas italianas de origem africana na prova de 4×400 metros dos Jogos do Mediterrâneo desencadeou uma polêmica na Itália, com acusações de racismo entre expoentes políticos e culturais. O Partido Democrático (PD), de centro-esquerda e do ex-premier Matteo Renzi, elogiou as atletas, publicando uma foto do grupo nas redes sociais onde elas aparecem com a bandeira italiana nas costas.

“A notícia mais bonita de ontem. Mas ela chega dos Jogos do Mediterrâneo, e não de Pontida”, escreveu Renzi no Twitter, em referência à cidade da Lombardia que recebeu no domingo o encontro anual do partido nacionalista Liga Norte.

O escritor Roberto Saviano, autor do livro “Gomorra”, fez o mesmo. “Nos Jogos do Mediterrâneo, ouro italiano no 4×400 graças a Libania Grenot, Maria Benedicta Chigbolu, Ayomide Folorunso e Raphaela Lukudo”, escreveu o jornalista no Twitter. “Seus sorrisos são resposta à Itália racista de Pontida”, completou o escritor. Internautas, então, começaram a promover a hashtag #PrimeiroAsItalianas e #AsItalianasPrimeiro, como forma de confrontar o slogan de campanha do ministro do Interior e vice-premier, Matto Salvini, da Liga Norte, “Primeiro os Italianos”, em defesa dos direitos dos cidadãos locais.

Apesar de Salvini manter um tom neutro, chamando as atletas de “ótimas” e dizendo que gostaria de “se encontrar com elas para abraça-las”, o mesmo não ocorreu com o ministro da Agricultura, Gian Marco Centinaio, também da Liga Norte, que entrou na briga com o PD e Saviano.

Centinaio acusou as pessoas que elogiaram as atletas de promoveram o racismo e chamou-as de “políticos de salão”.

“Ganhamos 156 medalhas nos Jogos do Mediterrâneo, mas Saviano e o PD se lembram somente das vencidas por atletas negras. Quem é racista? Parabéns a TODOS os atletas italianos. A verdadeira resposta aos políticos de salão”, escreveu em sua conta no Twitter. “Os verdadeiros racistas são os que se esquecem dos demais atletas que ganharam medalhas”, completou.