Matteo Salvini faz comparação com Bonucci, da Juventus, vaiado por torcedores do Milan

Matteo Salvini, vice-Primeiro Ministro italiano, causou polêmica em seu país nesta sexta-feira ao comentar o caso de racismo sofrido pelo zagueiro Koulibaly, do Napoli, na derrota para a Inter de Milão, na quarta.

Ao programa “Tiki Taka”, do canal “Mediaset”, Salvini minimizou as ofensas sofridas pelo senegalês e citou uma comparação um tanto quanto inapropriada com o zagueiro Bonucci, da Juventus, ex-Milan (o político é torcedor rossonero).

– Racismo é coisa de idiotas em 2018, mas não vamos colocar tudo no mesmo saco. Nos estádios eles também cantam “Milão em chamas”. Isso seria racismo também? Bonucci foi vaiado por torcedores do Milan, isso também é racismo? A provocação saudável entre as torcidas não deve ser considerada racismo.

– Se queremos condenar e vencer a violência não podemos fingir que é tudo a mesma coisa. A grande maioria dos ultras é boa pessoa, essas pessoas do episódio são delinquentes, e não torcedores. Um torcedor não vai a um estádio com uma faca – completou.

Salvini, então, foi convidado para se explicar à rádio “Kiss Kiss”. Ele manteve o discurso ao afirmar que o árbitro Paolo Mazzoleni acertou ao não interromper a partida.

– Racismo em 2018 é estúpido. Os sons de macaco no estádio devem ser condenados, mas não devem ser confundidos com outros gritos e provocações de torcedores. Há jogadores brancos que são vaiados, não coloque tudo no mesmo pacote. Provocar, no limite do bom gosto, é parte do esporte. Eu não sei como teria terminado se eles tivessem suspendido a partida, levando em conta o que aconteceu antes (briga entre torcedores). O árbitro foi bem.

– Alguma coisa não funcionou em termos de prevenção se as pessoas vieram da França para lutar (torcedores de Nice e Varese teriam se juntado a ultras da Inter para atacar o ônibus de torcedores do Napoli). Precisamos de penas muito severas para aqueles que cometem atos violentos.

– Torcedores cantando “Vesúvio os lava com fogo” é como “Milão em chamas”. Em um dos últimos jogos fora de casa do Milan eu ouvi músicas sobre granadas de mão. Os ultras são 90% de pessoas decentes, mas precisam isolar as violentas. Proibir viagens e fechar estádios é um erro para pessoas respeitáveis – encerrou.

O episódio levou a Inter a ser punida com dois jogos de portões fechados no San Siro (Sassuolo e Bologna). Koulibaly também foi suspenso por duas partidas por ter aplaudido ironicamente o árbitro (ele recebeu o cartão vermelho).