Líderes chegaram a um acordo para tentar sediar as Olimpíadas

Os presidentes da região do Vêneto e das províncias autônomas de Bolzano e Trento, no norte da Itália, chegaram a um acordo para apresentar uma candidatura tríplice a sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2026. O que desafia Turim.

O objetivo é levar as Olimpíadas para as Dolomitas, zona montanhosa situada nos Alpes italianos e tombada pela Unesco. Tendo Cortina d’Ampezzo, uma das mais célebres estações de esqui da Europa, como principal cidade.

A decisão foi tomada após uma reunião em Veneza entre os presidentes do Vêneto, Luca Zaia, e das províncias de Bolzano, Arno Kompatscher, e Trento, Ugo Rossi – essas duas últimas formam a região de Trentino-Alto Ádige.

— Rossi e Kompatscher confirmaram a Zaia o interesse e a disponibilidade em colocar à disposição instalações e estruturas para sediar o evento esportivo — diz uma nota conjunta. No entanto, os três ressaltaram que os Jogos de Inverno devem ser “sustentáveis” do ponto de vista ambiental e de transportes.

Há cerca de duas semanas, o presidente de Bolzano havia recusado a hipótese de se juntar à candidatura do Vêneto, alegando que, no modelo atual, as Olimpíadas dificilmente terão “impacto zero”. Dessa forma, caso saia vencedora, Cortina d’Ampezzo deve concentrar a maior parte das competições e usar apenas algumas estruturas em Trentino-Alto Ádige.

A cidade de 5,8 mil habitantes já sediou os Jogos de Inverno, em 1956, assim como Turim, que recebeu o evento em 2006. Ambas devem disputar para representar a Itália na eleição que definirá a casa das Olimpíadas de 2026. A escolha só deve ser anunciada em 2019. (com informações da ANSA)