UE pede que vacinação não se torne um debate político no país

O comissário de Saúde da União Europeia (UE), Vytenis Andriukaitis, fez um alerta nesta quarta-feira (31) sobre o risco de uma vitória nas eleições da Itália de partidos que são contra a obrigatoriedade da vacinação no país.

Segundo Andriukaitis, esta tendência “é muito perigosa para a nossa sociedade e para a vida das pessoas”, já que o assunto causa “preocupação” pelo fato de que na Itália algumas partes “usam questões de saúde pública, como campanha eleitoral”.

“As pessoas devem entender, esta é uma mensagem simples para todos: as vacinas funcionam”, disse o comissário, acrescentando que há também uma “mensagem clara para a não vacinação: vocês são os responsáveis se o número de pessoas vacinadas caírem”.

De acordo com dados preliminares envolvendo seis regiões italianas, publicados na Lancet, houve um aumento na cobertura de vacinação durante o semestre passado, após a introdução do decreto que obriga as pessoas a tomarem 10 tipos de vacinas.

Os índices de vacinação estavam caindo ano a ano na península, uma realidade que atinge vários países da Europa e, inclusive, já provocou um surto de sarampo em algumas regiões da Itália no início de 2017. (ANSA)