A UEFA avaliou na sexta-feira (28) que o protocolo contra o racismo foi ignorado na quarta-feira passada, durante a partida entre Inter de Milão e Napoli (1-0) pela Liga Italiana, quando o senegalês Kalidou Koulibaly foi alvo de gritos imitando macaco por parte da torcida local

Koulibaly foi expulso após receber o segundo cartão amarelo, quando aplaudia sarcasticamente o árbitro, depois de suportar os gritos racistas durante toda a partida em Milão.

Durante a partida houve três avisos pelo serviço de som para que os gritos parassem e segundo o protocolo da UEFA, o jogo deveria ter sido suspenso.

Em um comunicado conjunto, a UEFA e o sindicato dos jogadores de futebol FIFPro se revelam “muito preocupados com este inaceitável incidente racista e pela falta de observação do protocolo de três passos amplamente reconhecido contra o racismo”.

“Koulibaly foi alvo de cantos racistas e, apesar dos avisos realizados pelo serviço de som, os cantos não pararam. Além disso, o corpo técnico do Napoli informou ao árbitro várias vezes sobre os gritos racistas”.

A Inter de Milão terá que disputar duas partidas com portões fechados como punição pelos gritos racistas contra o zagueiro senegalês, segundo decisão da entidade disciplinar da Liga italiana de futebol.